[Sermão] O culto dos santos, das relíquias e imagens

Sermão para a Solenidade Externa da Festa de Todos os Santos

3.11.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para a Solenidade de Todos os Santos 3.10.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

Fazemos hoje a Solenidade externa da Festa de Todos os Santos, celebrada no dia 1º de novembro.

Altar das Relíquias

Altar das Relíquias

“Laudate Dominum in sanctis ejus.” Louvai o Senhor em seus santos, nos diz o Salmo 150 na Vulgata. Esse versículo da Sagrada Escritura descreve com precisão a natureza da veneração prestada aos santos pelos católicos, desde os primeiros séculos. Ao venerar os santos glorificamos a Deus, louvamos a Deus em seus santos. Veremos porque é possível cultuar os santos, os benefícios que derivam do culto dos santos, de suas imagens e relíquias.

É bem conhecida a objeção dos protestantes ao culto prestado aos santos. E, em geral, quanto mais ignorante um protestante, mais virulento será seu ataque ao culto dos santos. A heresia protestante diz que o culto dos santos não pode se realizar em virtude de três objeções, basicamente. A primeira delas consiste em afirmar que o culto dos santos se contrapõe ao fato de que NSJC é o único mediador. São Paulo na sua 1ª Epístola a Timóteo afirma: “há um só Deus e só há um mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo homem, que se deu a si mesmo para redenção de todos.” Não resta dúvida de que São Paulo estabelece NS como o único mediador. Ele faz isso nos versículos 5 e 6 do capítulo 2. Nos versículos precedentes, ele escreve a Timóteo: “Eu te rogo, pois, antes de tudo, que se façam súplicas, orações, petições, ações de graças por todos os homens.” Em seguida, diz: “Isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e que cheguem a ter o conhecimento da verdade.” São Paulo recomenda a Timóteo que interceda por todos e diz que isso é agradável diante de Deus. Estaria São Paulo em contradição, ordenando a Timóteo que reze pelos outros ao mesmo tempo em que diz que só há um mediador. É claro que não. Nosso Senhor é o único mediador de redenção, Ele é o único que nos redime e nos salva. Isso não impede que haja mediadores de intercessão, que com suas orações pedem para que Cristo nos aplique a sua redenção. Portanto, NS é o único mediador de redenção, mas ele estabeleceu mediadores de intercessão subordinados a Ele.

É possível, então, haver mediadores de intercessão sem que NS deixe de ser o único mediador de redenção. Mas os protestantes dizem – e é a segunda objeção – que os santos no céu não tomam conhecimento de nossas orações, não podendo, assim, nos ajudar. Isso é falso. É claro que os santos conhecem as nossas orações, pois podem ver tudo em Deus, no Verbo de Deus, ainda que nossas orações sejam meramente internas, sem nada exterior. Os santos no céu têm uma caridade perfeita, inflamada, um amor perfeito por Deus e pelo próximo. Eles querem o bem do próximo e querem agir para o bem do próximo. Seria um contrassenso se no momento em que mais são movidos pela caridade, se no momento em que mais querem e podem ajudar o próximo, os santos não pudessem auxiliar aqueles que mais precisam, que somos nós. Portanto, os santos no céu, ao verem Deus face a face, conhecem também os nossos pedidos e nos ajudam, movidos pela caridade perfeita que possuem.

Finalmente, dizem os protestantes que Deus é tão bom que não precisa de intercessores para nos dar o que necessitamos. Estritamente falando, é óbvio que não haveria necessidade absoluta de intercessores. Todavia, Deus é tão bom que quis que tivéssemos intercessores e modelos, para o nosso próprio bem, para que pudéssemos pedir as coisas com maior confiança, sabendo que somos representados por pessoas que agradam mais a Deus do que nós, pobres pecadores. Diz Santo Agostinho que Deus deixa de conceder muitas coisas, se não houver a intervenção de um mediador e advogado digno. Vemos isso na Sagrada Escritura com os amigos de Jó (Jó XLII, 8) e com Abimelec (XX, 17). Deus só perdoou os pecados dos primeiros pela intercessão de Jó e só perdoou a Abimelec pela intercessão de Abraão. Vale também destacar que Cristo enalteceu a fé do centurião com grandes elogios, apesar de o homem ter enviado ao Salvador os anciãos dos Judeus, em vez de ir pessoalmente, para que pedissem ao Senhor a cura de um servo doente (Lc VII, 2-10). E fez isso por acreditar que o pedido vindo dos anciãos dos Judeus seria mais agradável do que o seu pedido feito diretamente. Recorrer aos santos não é falta de fé. Deus é tão bom que faz os santos cooperarem de modo especial na salvação das almas pela intercessão deles. Assim, a intercessão dos santos em nada diminui a bondade divina, mas a manifesta ainda mais perfeitamente.

A invocação dos santos é lícita e boa. Ela está incluída no culto de dulia que é devido aos santos e que consiste em reconhecer internamente e externamente a excelência dos santos com relação às virtudes sobrenaturais, com relação à união íntima deles com Deus. Esse reconhecimento vai acompanhado de certa submissão a eles. Não se trata, portanto, de culto de latria, que é devido somente a Deus. Ao venerarmos os santos, louvamos e veneramos a obra de Deus neles, louvamos a graça divina que atuou de modo particular e excelente neles. Ao elogiar a obra de um artista, elogiamos também e principalmente o artista que é causa da obra. Ao venerar os santos, louvamos verdadeiramente a Deus em seus santos, como nos diz o salmo.

Veneramos os santos louvando suas excelências, celebrando as festas deles, fazendo obras de caridade ou de mortificação em honra deles, expondo e venerando as imagens e relíquias deles. Veneramos os santos também imitando os exemplos deles. E como eles são imitadores de Cristo, ao imitar os santos, imitamos Cristo. É o que diz são Paulo (1 Cor XI, 1): “Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo.” Mas para imitá-los é preciso ler as vidas de santos. O exemplo deles nos faz muito bem, pois são, de fato, o Evangelho colocado em prática por pessoas como nós. A vida dos santos não é só para ser admirada, mas para ser imitada. Não imitada naquilo que tem de extraordinário, milagres, etc., mas no essencial, na conversão a Deus. E veneramos os santos recorrendo à intercessão deles.

Vimos que entre os meios de honrar os santos está a veneração de imagens e relíquias. Relíquia quer dizer resto. As relíquias são, então, um pedaço do corpo de um santo (relíquia de primeira classe) ou algum objeto que lhe pertenceu (relíquia de segunda classe) ou ainda alguma coisa que tocou uma relíquia de primeira classe (e teremos uma relíquia de terceira classe). Ao venerar as relíquias de um santo veneramos, antes de tudo, a pessoa do santo e também aquele corpo que foi templo do Espírito Santo e membro vivo de Cristo, o corpo que junto com a alma praticou tantas virtudes, o corpo que vai ressurgir glorioso um dia. Vemos na Sagrada Escritura como a fímbria do vestido de NS opera prodígios (Mc VI, 54-56), vemos a sombra de São Pedro curar os doentes (At V, 12-16) e vemos lenços e aventais tocados por São Paulo afugentar os espíritos malignos e curar doenças (At XIX, 11 e 12) . Grande deve ser a nossa veneração pelas relíquias dos santos, imitadores de NS, relíquias que nos remetem aos santos e que são também sacramentais.

As imagens dos santos também podem e devem ser veneradas. “As imagens de Cristo, da Santíssima Virgem e de outros Santos, se devem ter e conservar especialmente nos templos e se lhes deve tributar a devida honra e veneração, não porque se creia que há nelas alguma divindade ou virtude pelas quais devam ser honradas, nem porque se lhes deva pedir alguma coisa ou depositar nelas alguma confiança, como outrora os gentios, que punham suas esperanças nos ídolos (cfr. Sl 134, 15 ss), mas porque a veneração tributada às Imagens se refere aos protótipos que elas representam, de sorte que nas Imagens que osculamos, e diante das quais nos descobrimos e ajoelhamos, adoremos a Cristo e veneremos os Santos, representados nas Imagens.” Assim ensina o Concílio de Trento. A proibição de fazer imagens no AT não é mais válida, pois o risco de idolatria que existia para os judeus, rodeados de pagãos idólatras, adoradores de imagens, já não existe. E mesmo no Antigo Testamento, vemos Deus abrir algumas exceções para a proibição das imagens, pois ele ordena que se façam querubins na arca da aliança e manda que Moisés faça uma serpente de bronze, prefiguração de Cristo crucificado, para que os judeus não perecem pelas picadas das serpentes no deserto. Portanto o culto às imagens se dirige ao original.

O culto aos santos, às relíquias e imagens está de pleno acordo com a obra da salvação e com nossa natureza humana. Nós vivemos em sociedade, a Igreja é uma sociedade instituída por Cristo. Nada mais natural que uns membros da sociedade prestem auxílio a outros, nada mais natural que os membros da Igreja triunfante, no céu, socorram os membros da Igreja militante, que somos nós. Nada mais natural que peçamos a ajuda deles. Pela nossa natureza, somos corpo e alma. Nós precisamos de coisas sensíveis que ajudem a nossa inteligência e a nossa vontade a se elevarem às coisas espirituais. Assim, os sacramentos são sinais sensíveis da graça, as cerimônias da Igreja são sensíveis, a Igreja é uma sociedade visível com um chefe visível, etc. As imagens e relíquias nos ajudam muitíssimo a manter a nossa concentração, a considerar o exemplo e as virtudes de Cristo, de Nossa Senhora, dos Santos. Tirar as imagens das igrejas prejudica a vida de oração, diminui o apelo aos santos, nos privando de muitas graças. Dessa forma, a vaga iconoclasta que atingiu muitas das nossas igrejas nas últimas décadas, prejudica a oração do povo. O que corrobora tudo isso é o fato de o próprio Deus ter se encarnado. Nossa religião não é uma religião de anjos, mas uma religião fundada por Deus para nós homens, feitos de corpo e alma. As duas coisas devem estar unidas e devidamente ordenadas, sendo a alma a principal parte de nosso ser.

 O culto aos santos, de tradição apostólica, nos faz venerar os santos como amigos de Deus, nos faz venerar os santos pelos dons que receberam de Deus. O culto dos santos nos traz grandes benefícios, pois nos ajudam a obter graças que sozinhos não conseguiríamos e nos dão um exemplo e vida em conformidade com Cristo. Grandes benefícios nos trazem também o culto das relíquias e das imagens.

Recorramos aos santos e peçamos a eles que nos ajudem a alcançar o céu onde já se encontram. Laudate Dominum in sanctis eius. Louvai o Senhor em seus santos.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] Cristo, Rei das Nações pelo reinado em nossas almas

Sermão para a Festa de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei

27.10.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para a Festa de Cristo Rei 27.10.2013

                Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

                Ave Maria…

                “A turba ímpia grita: não queremos que Cristo reine. Nós, com alegria, dizemos que sois o Rei Supremo de todas as coisas” (Hino das Vésperas da Festa de Cristo Rei).

                Caros católicos, hoje é talvez a festa mais importante do ano litúrgico para os nossos tempos atuais: a Festa de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei. Não digo que seja a festa litúrgica mais importante em si mesma, pois é claro que temos o Natal, a Páscoa, a Epifania e tantas outras festas tão tradicionais e importantíssimas. Digo que ela é a mais importante pelas circunstâncias em que vivemos, pelo momento da história em que vivemos. Momento de apostasia das nações. Não há, infelizmente, outra palavra, caros católicos. As nações abandonam completamente Deus, abandonam completamente NSJC, abandonam completamente a Igreja. Constatando o estado de coisas já em 1925, o Papa Pio XI, com grande sabedoria, instituiu a Festa de Cristo Rei no último domingo de outubro. O Santo Padre sabia que a melhor maneira de inculcar no povo e lembrar ao povo o reinado social de NSJC é por meio da liturgia. Uma liturgia que proclamasse claramente o reinado de NSJC sobre todas as coisas. Rei das almas e das consciências. Rei das inteligências e das vontades. Rei das famílias, da cidade, do povo, da nação, do mundo todo, de todas as coisas. O drama de nossa época é o abandono completo de Cristo e de sua Igreja por parte da sociedade. Daí a importância da festa de Cristo Rei ser celebrada em conformidade com a verdadeira intenção com que foi criada, ou seja, para que se afirme a realeza social de NSJC. Essa festa não diz respeito ao reinado de NS com a sua vinda gloriosa. Não. Essa festa diz que NS deve reinar desde já, em todos os aspectos da vida humana, do aspecto mais individual ao mais social. E por isso a celebramos agora e não no final do ano litúrgico, que faz referência à vinda gloriosa de Cristo, como se ele fosse reinar somente a partir desse momento. Não. Ele reina desde já. Do íntimo de nossa consciência aos atos públicos do governo, em todas as coisas Cristo deve reinar. Essa festa de Cristo Rei bem compreendida é o terror dos inimigos da Igreja, é o terror do mundo e do demônio. Ela se opõe frontalmente ao laicismo, esse erro perverso que afirma que o Estado não deve ter religião ou que o Estado deve dar iguais direitos a todas as religiões. Pio XI classificava o laicismo como peste da nossa época. O laicismo, fruto do protestantismo e da filosofia moderna, busca construir o reino do homem. Por trás da bandeira do laicismo, excluindo toda possiblidade do reino social de Cristo, se unem as forças dissolventes do liberalismo, da maçonaria, do socialismo, do comunismo, para citar alguns dos inimigos da Igreja (Mons. Antonio Piolanti, antigo Reitor da Pontifícia Universidade Lateranense, no Livro Dio Uomo, 2ª edição, 1995, p. 653).  Mas se essa festa é o terror dos inimigos da Igreja, Ela deve ser de um grande consolo para os católicos e celebrada com muita alegria.

                Nosso Senhor é, portanto, Rei. Ele é Rei porque é Deus e todas as coisas dependem dele para ser e existir e para se conservar no ser e para poder agir. Todavia, Ele é Rei também enquanto homem. NS é Rei enquanto homem em virtude da união íntima com o Verbo de Deus, ao ponto de haver em Cristo uma só Pessoa, a Pessoa Divina, embora haja nEle duas naturezas, a divina e a humana. Em virtude dessa união, chamada união hipostática, a humanidade de Cristo tem uma excelência e uma dignidade que superam toda e qualquer criatura e que faz dEle verdadeiramente a cabeça, o chefe de todo o gênero humano e de todas as coisas. E NS é Rei enquanto homem também por direito de aquisição. Ao morrer na Cruz, ao derramar o seu sangue divino por nós, Cristo adquiriu sobre nós um domínio soberano, tornou-se nosso Rei por direito. Como nos diz a Igreja no Hino Vexilla Regis, para o Tempo da Paixão: Regnavit a ligno Deus. Deus reinou do madeiro, da cruz. Deus Reinou do madeiro por amor, ao morrer para nos salvar. Portanto, toda criatura deve se submeter a Cristo como a um rei soberano porque Ele é Deus, porque Ele está acima de todos nós por sua excelência e porque nos redimiu na Cruz.

Entre as criaturas, estão as sociedades, que são consequência da natureza social do homem. O homem precisa da sociedade para assegurar o que é útil e necessário para a sua vida, para poder viver com perfeição. Portanto, ao criar o homem assim, Deus criou também a sociedade. As sociedades, por meio de seus representantes, são capazes de reconhecer a verdade e de praticar o bem. Por exemplo, o Estado, por meio de seus representantes competentes, é capaz de chegar à conclusão de que se deve fazer tal obra para o bem dos cidadãos. De modo semelhante, a sociedade pode e deve reconhecer que Nosso Senhor Jesus Cristo é Deus e Rei e ela deve reconhecer que para honrá-lo como tal é preciso se conformar àquilo que Ele Revelou, ou seja, é preciso estar unido à Igreja que Ele fundou e favorecer essa Igreja. Assim, as sociedades são obrigadas a cultuar NS publicamente conforme a verdadeira religião. Todas as sociedades são obrigadas a isso, desde a família até o Estado. Tudo deve se submeter a Nosso Senhor Jesus Cristo e a suas leis. Os governantes devem honrá-lo publicamente. Os magistrados e professores devem venerá-lo. As artes e as leis devem exprimir a realeza de Nosso Senhor (como nos diz o hino das Véperas da Festa de hoje. Hino Te Saeculorum Principem, das Vésperas de Cristo Rei).

Deve, portanto, haver união entre a Igreja e o Estado. Não se trata de uma confusão entre os dois, mas de união. Essa união não significa que a Igreja deva gerir as coisas puramente temporais do Estado ou ditar qual deve ser a forma de governo, por exemplo. Não. Essa união significa que as leis da Igreja e a doutrina católica, que dizem respeito à salvação das almas, devem ser respeitadas pelo Estado. Assim, por exemplo, na educação e no matrimônio o Estado deve aplicar as leis da Igreja. O Estado ao buscar o bem comum dos seus cidadãos, deve garantir não somente os bens temporais – materiais e culturais – aos cidadãos, mas deve proceder de forma que os cidadãos possam ter com facilidade e em abundância os bens espirituais que são necessários para que eles conduzam religiosamente a sua vida. Entre esses bens espirituais, o mais importante é o de poder conhecer, amar e servir a NSJC. E não basta ao Estado garantir o acesso dos cidadãos à religião católica, mas deve ele próprio prestar vassalagem a NS pelos atos de culto da religião católica, respeitando as leis de Deus e da Igreja. Resta óbvio que essa doutrina do Reinado Social de NSJC, da união entre Igreja e Estado, só pode aplicar-se plenamente em um Estado em que a maioria dos cidadãos é católica. Nesse caso, o poder civil deve procurar os meios e condições intelectuais, sociais e morais pelos quais os fiéis possam perseverar na fé. Isso inclui a regulação das manifestações públicas de outras religiões, que podem colocar em perigo a salvação dos cidadãos. Não se trata, como é evidente, de converter ninguém à força, nem de forçar a consciência, mas de favorecer a verdadeira religião. Por outro lado, o Estado pode ver-se obrigado, em alguns casos, a tolerar uma falsa religião, para evitar um mal maior ou para que se alcance um bem maior. Mas trata-se de tolerância, portanto, de se permitir um mal em vista de um bem. Não se trata de igualar a verdade e o erro, não se trata de colocar em pé de igualdade a religião fundada por NS e o erro. No Estado em que a maior parte dos cidadãos não professa a fé católica ou não conhece a Revelação, o poder civil não católico deve ao menos conformar-se aos preceitos da lei natural – se submetendo assim ao criador – e deve assegurar a liberdade para que a Igreja exerça com liberdade a sua missão.

O Estado, como criatura, deve, então, honrar devidamente a NSJC, isto é, deve honrá-lo como Ele quer ser honrado. Uma criatura que não venera e não cultua devidamente o seu criador está fadada a sofrer graves consequências. Para o homem individualmente considerado, essa consequência é a condenação eterna. Para a sociedade, a consequência de não se cultuar NSJC é o caos social, é o desaparecimento dos primeiros princípios necessários para vida em comum, é o desaparecimento dos primeiros princípios da vida moral, é o indiferentismo religioso dos cidadãos. O Estado que não cultua  NSJC devidamente está fadado ao fracasso na sua mais alta missão, que é a de ajudar seus cidadãos a praticarem a virtude. E, assim, os cidadãos são prejudicados no caminho da salvação. Um Estado que não cultua seu criador prepara a sua ruína mais completa.

Nós, então, diante disso, devemos fazer algo pela nossa pátria, cumprindo nosso dever da virtude de piedade, virtude de piedade que nos manda ajudar a nossa pátria e nos manda procurar o bem dela. Nós devemos fazer algo para que a nossa pátria reconheça e se submeta à realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo. É preciso fazer a nossa parte para que a sociedade compreenda que ela deve honrar NSJC e sua Igreja. Alguns acham que a solução está na volta da monarquia. Ora, é preciso dizer que uma monarquia por si só não resolve nada, pois uma monarquia também pode ser liberal, desligada de Deus e da Igreja. A Igreja não tem preferência por uma forma de governo particular, desde que na democracia, na aristocracia ou na monarquia se reconheça que o poder vem de Deus e não do povo, desde que se reconheça a realeza de NSJC e se submeta a suas leis. Claro que para uma dada nação pela sua mentalidade e pelas circunstâncias, uma forma de governo pode ser mais adaptada do que outra. Isso, porém, não é o essencial. O essencial é que o poder civil honre publicamente a NSJC, cultuando-o e observando as suas leis. Outros acham que a solução consiste no combate ao marxismo, aliando todas as forças contra ele. Aqui, também, o mero combate ao marxismo não basta se não se combate ao mesmo tempo os outros erros, em particular o liberalismo, que diz que o homem pode professar livremente sem problema a religião que mais lhe agrada, que afirma que a consciência é livre para decidir o que é bom ou mau, que diz que o Estado não deve ter religião. Não basta combater o marxismo sem propor a solução: o reinado social de NSJC. A única solução para ajudar o nosso país é ter como finalidade o Reino Social de NSJC, é buscar que a sociedade o reconheça e se submeta a ele. Para fazer isso, caros católicos, o primeiro e mais importante passo é que NS reine nas nossas vidas e nas nossas famílias, é buscar realmente a santidade, com determinação, desejando-a realmente. O reinado de Cristo deve começar pelas nossas almas, por todos os aspectos de nossas vidas. É preciso que Cristo reine nas nossas inteligências pela fé. É preciso que Ele reine na nossa vontade pela caridade. É preciso que Ele reine em todos os nossos afetos pela temperança, pela fortaleza. É preciso que Ele reine em todas as nossas atividades, na profissão, nas diversões, nosso modo de ser. É preciso que Ele reine na vida familiar, no matrimônio, no uso do matrimônio, na educação dos filhos. É preciso que Ele reine, caros católicos, em tudo. Não adianta reclamar das condições em que vivemos se não buscamos mudar isso pela santidade. É pela santidade, pela prática das virtudes e reconhecendo a realeza de Nosso Senhor em todos os aspectos de nossa vida que poderemos alcançar a realeza social de NS. É observando os mandamentos e evitando o pecado que contribuiremos para o reinado social de Cristo. Quando pecamos, recusamos obedecer a Nosso Senhor Jesus Cristo, e aumentamos o poder do príncipe do mundo, do demônio. Pelo pecado, favorecemos o reinado do príncipe desse mundo. Portanto, será pouco eficaz o combate pelo reinado social de Cristo, o combate para que a civilização volte a ser formada pela lei de Cristo, se com os nossos pecados favorecemos justamente o reino do príncipe desse mundo. Não adianta, ou muito pouco, ser um paladino da Tradição e do reinado social de Cristo, na internet ou algures, se Cristo não é realmente o Rei de nossas almas.  Portanto, caros católicos, façamos um profundo exame de consciência, para que Cristo possa reinar na nossa inteligência, na nossa vontade, na nossa consciência, em nossos afetos, em todas as nossas ações, em nossa família, em tudo. Primeiro, para podermos nos salvar. Mas também para que Ele reine na sociedade. Se Cristo reinar em nossa alma, o necessário combate público pelo seu reinado social será verdadeiramente eficaz. Convertamo-nos a Cristo Rei. Coloquemos tudo a seus pés e carreguemos o jugo leve e suave de Cristo Rei. A Missa Tradicional exprime claramente o reinado de Cristo. Tudo nela, absolutamente tudo, está voltado para Ele, diz respeito a Ele. Nela, é Cristo o centro, o Rei. Aprendamos com a liturgia. Oportet illum regnare (é preciso que Ele Reine), como diz São Paulo. E esse reinado de Cristo trará grandes benefícios para a sociedade. Ele trará a verdadeira ordem, e o verdadeiro progresso, que é o progresso nas virtudes. Viva Cristo Rei! Rei de nossas almas. Rei das Nações.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] A Igreja e as missões

Sermão para o 22º Domingo depois de Pentecostes – Domingo das Missões

20.10.2013 – Pe Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para o 22º Domingo depois de Pentecostes – Domingo das Missões 20.10.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

 “Concedei-nos, Senhor, que do Oriente ao Ocidente o Vosso nome seja glorificado entre os povos, e que em todo lugar se sacrifique e se ofereça ao Vosso nome uma oblação pura.” (Secreta)

Caros católicos, para toda a Igreja hoje é o domingo consagrado às Missões. Em todas as Missas, ao menos naquelas celebradas no Rito Romano Tradicional, há orações que pedem a Deus que a verdade do Evangelho possa chegar a todos os cantos do orbe e a todos os homens, a fim de que Deus seja conhecido, amado e servido por todos os povos. Se a Igreja faz isso, é porque ela permanece fiel ao mandamento de NS dado aos Apóstolos e aos sucessores deles: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. O que crer e for batizado será salvo; o que, porém, não crer, será condenado.” (Marcos 16, 15-16) “Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei.” (Mateus 28, 19) É, então, Nosso Senhor Ele mesmo que atribui à sua única Igreja a catolicidade, quer dizer, essa universalidade, devendo a Igreja dirigir-se a todo o mundo, a todas as gentes. Consequentemente, é NS Ele mesmo que faz da Igreja uma sociedade necessariamente missionária. A missão é justamente anunciar a verdade do Evangelho, a verdade revelada por NSJC àqueles povos que ainda não a conhecem.

E esse mandamento de NS, caros católicos, é bem lógico. Como diz a coleta de hoje, Deus quer que todos os homens se salvem e que cheguem ao conhecimento da verdade. Para que o homem se salve é preciso que ele acredite com total certeza no que Deus fala, pois Deus não pode se enganar nem nos enganar. E para que o homem se salve, é preciso fazer aquilo que Deus ordena, pois Deus só nos ordena o que é bom. Em suma, para salvar-se, o homem precisa da verdadeira religião. E entre tantas religiões que se contradizem, uma só pode ser a verdadeira. E sabemos que é a católica, confirmada com tantos verdadeiros milagres e anunciada por tantas profecias. Sabemos que é a católica porque somente ela corresponde perfeitamente ao ensinamento de Jesus Cristo, nosso Salvador. Assim, é natural que NS mande que seus Apóstolos preguem o Evangelho em todo o mundo e para todas as gentes, para que se salvem. A Igreja, seguindo seu divino fundador, tem sede das almas e quer levar essas almas que estão nas trevas do erro e na sombra da morte à verdade e à vida eterna. A Igreja se entristece profundamente de ver povos que ignoram o Deus único em três Pessoas, que ignoram o Deus que nos mostrou todo o seu amor ao se encarnar e ao sofrer por nós até a morte e morte de cruz. Ela se entristece de ver os povos que ignoram ou perseguem a Igreja fundada por Cristo. E a Igreja manifesta hoje essa tristeza pelos paramentos roxos, pela ausência do Glória.

Fiéis, então, ao preceito de NS de pregar a todas as gentes, os Apóstolos, de imediato, pregaram em todo lugar a palavra de Deus, ao ponto que o “som da voz deles estendeu-se por toda a terra e as suas palavras até as extremidades do mundo”, como afirma a Igreja (Ofício dos Apóstolos e Salmo 18, 5) Também os sucessores dos Apóstolos foram fiéis ao mandamento de Nosso Senhor. São Martinho, apóstolo da Gália. São Patrício, apóstolo dos irlandeses. Santo Agostinho de Cantuária, apóstolo dos ingleses. São Columba, apóstolo dos escoceses. São Bonifácio, apóstolo dos povos germânicos; Santos Cirilo e Metódio, apóstolos dos eslavos. São Francisco Xavier, apóstolo do oriente. Padre Anchieta, Apóstolo do Brasil. Isso para citar somente alguns poucos. A Europa foi convertida a Cristo, o norte da África foi convertido a Cristo com grande rapidez. Nos tempos modernos, a maior parte das Américas foi convertida a Cristo pelos missionários portugueses e espanhóis. E quantas obras missionárias feitas em outros cantos do globo. Por que, caros católicos, um zelo tão ardente pelas missões sempre consumiu a Igreja? Porque se trata da salvação das almas e a salvação das almas é a lei suprema da Igreja.

Hoje, infelizmente, muitos parecem ter esquecido este mandamento de NS: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. O que crer e for batizado será salvo; o que, porém, não crer, será condenado.” (Marcos 16, 15-16) “Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei.” (Mateus 28, 19) É por causa desse esquecimento que os infiéis não chegam ao conhecimento da fé. É também por causa desse esquecimento que nossa sociedade, outrora cristã, é cada vez mais paganizada. Esse esquecimento é devido, antes de tudo, ao indiferentismo religioso. Com o indiferentismo religioso se afirma que a salvação é possível em qualquer religião. Se você é mulçumano, seja um bom mulçumano, isso basta. Se você é protestante, seja um bom protestante e você será salvo. Se você é ateu, seja um bom ateu e você irá ao paraíso. São frases que ouvimos. Ora, se NS nos deu um mandamento tão claro incluindo nele a pena da morte eterna – “o que crer e for batizado será salvo; o que, porém, não crer, será condenado” – é justamente porque é extremamente difícil se salvar quando se pratica uma outra religião que não a verdadeira, fundada por Ele. E mesmo nesse caso, muito raro, em que a pessoa se encontra em ignorância invencível quanto à verdadeira religião, mas pratica o bem e evita o mal segundo uma consciência bem formada, é sempre por Cristo e na Igreja que a pessoa se salva. Quantas almas infelizmente se perdem por causa da negligência no cumprimento do preceito divino: ensinai todas as gentes, batizando-as.

Isso não significa, porém, que não haja mais missões. As missões existem, é claro. Todavia, elas são vistas, sobretudo, como uma coisa puramente social ou humana. Elas visam muitas vezes uma paz simplesmente humana, um bem-estar humano. E, para alcançar isso, dizem que é preciso evitar a todo o custo o apostolado, às vezes classificado como proselitismo, quer dizer, é preciso evitar buscar a conversão das almas à religião católica. A Igreja até poderia atrair as almas para si pelo testemunho, pelo exemplo, mas buscar as almas, argumentando, chamando-as à conversão seria já um meio ilegítimo, seria proselitismo dizem. O Papa João Paulo II aponta esse erro: “Hoje – diz o Papa – o apelo à conversão, que os missionários dirigem aos não cristãos, é posto em discussão ou facilmente deixado no silêncio. Vê-se nele – nesse apelo à conversão, continua o Papa – um ato de «proselitismo»; diz-se que basta ajudar os homens a tornarem-se mais homens ou mais fiéis à própria religião, que basta construir comunidades capazes de trabalharem pela justiça, pela liberdade, pela paz, e pela solidariedade.” Até aqui o Papa. Essa proibição do apelo à conversão – apelo que não se faz meramente pelo exemplo, embora o exemplo seja indispensável e a parte mais necessária – vem de uma falsa noção do que é o bem do homem, como se o bem do homem estivesse nos bens desse mundo ou numa paz sem o verdadeiro Deus. Ao contrário, o maior bem para o homem é conhecer, amar e servir a Deus. O verdadeiro bem do homem supõe, portanto, a verdadeira religião e, para isso, é preciso que os homens da Igreja sejam plenamente missionários, ensinando a doutrina de Cristo e batizando aqueles que crerão nEle. É preciso buscar primeiro o Reino de Deus, o resto será dado por acréscimo.

Ora, se decorre da própria natureza da Igreja ser missionária, todos os membros dela estão implicados nisso em alguma medida e devem cooperar com as missões. Há, basicamente, duas maneiras de cooperar efetivamente com as missões: a ajuda material e a oração.

Primeiro, devemos ajudar materialmente e segundo as nossas possibilidades as obras sérias, que têm por objetivo real a propagação da fé católica, o bem das almas e a glória de Deus.

Em segundo lugar, e muito mais importante que a ajuda material, devemos rezar e rezar muito. Em particular, devemos rezar para que Deus suscite numerosas vocações e, sobretudo, vocações sacerdotais, mas sacerdotes santos, de uma fé vivíssima e de uma caridade ardente. NS fundou uma Igreja hierárquica: os sacerdotes são os ministros da salvação trazida por Jesus Cristo. Sem padres e sem bons padres, a evangelização, a conversão das almas e dos povos não terá sucesso ou muito limitado. Eis aqui uma maneira fundamental para cooperar com as missões: rezar pedindo pastores dignos e santos. É exatamente isso que a coleta e o Evangelho de hoje nos lembram: que Deus possa enviar operários que transmitam o Evangelho com confiança, sem receio, a fim de que todos os povos possam conhecer o único Deus verdadeiro e Aquele que Ele enviou, Jesus Cristo, seu Filho. Devemos também rezar constantemente pela conversão daqueles que ainda não têm a fé católica: pagãos, hereges, infiéis, judeus… Comecemos essa oração nos unindo ao Santo Sacrifício da Missa que se consumará sobre o altar. Rezemos para que o Senhor mande operários e rezemos pela conversão dos que vivem na sombra do erro. Rezar com instância e fervor pelas missões é praticamente como tornar-se um missionário, dada a profundidade da cooperação. Santa Teresinha do Menino Jesus nos dá o exemplo, pois sem jamais ter saído de seu convento, ela se tornou a padroeira das missões, pelas orações e sacrifícios que oferecia pelo bom êxito das missões.

Todavia, não devemos considerar as missões simplesmente como algo longínquo e que ocorre somente na outra extremidade da terra. Hoje, as nações outrora católicas se tornaram, na prática, terra de missão. Nós devemos começar, portanto, pelo nosso país, pelo meio em que vivemos. Devemos praticar a ajuda material, e rezar pelas vocações e pela conversão dos não católicos no nosso país e não somente em terras distantes. Nesse caso, devemos também cooperar com a Missão pelo apostolado no meio em que vivemos. Esse apostolado está ao alcance de todos: em casa, no trabalho, na rua, com os amigos, nos lazeres, etc… Podemos exercer de várias maneiras o apostolado. Um bom argumento que damos em favor da religião católica, um bom conselho, uma correção caridosa, um bom livro que emprestamos, uma diversão imoral que se evita, etc.  Eis alguns atos de apostolado que Deus recompensará com generosidade. Se a esses atos nós acrescentarmos o apostolado do exemplo – que é um argumento mais forte do que todos os discursos e sem o qual todos os outros atos serão ineficazes – e se acrescentarmos também os sacrifícios, mesmo pequenos, nos tornaremos missionários, no sentido abrangente da palavra. Podemos pensar aqui no exemplo de Santo Afonso que converteu seu escravo mulçumano simplesmente pelo exemplo, sem precisar de outro argumento além do mero exemplo. Com as orações, com o apostolado, com o exemplo, podemos propagar a fé, iluminando as inteligências e inflamando as vontades e não simplesmente atiçando os sentimentos passageiros como, infelizmente, ocorre com muitos que se chamam hoje missionários.

Façamos, então, caros católicos, aquilo que podemos para converter os povos pagãos e para reconverter nossa sociedade a Cristo, para que o único Deus verdadeiro e seu Filho, Jesus Cristo, possam ser reconhecidos, confessados e glorificados pela prática da religião católica: devemos ajudar materialmente, na medida de nossas possibilidades, devemos rezar pelas vocações e pela conversão daqueles que não conhecem NS e sua Igreja, devemos oferecer pequenas penitências nessa intenção, e devemos fazer apostolado no meio em que vivemos, sobretudo pelo exemplo.

O ardor missionário que sempre inflamou a Igreja é a obra de caridade mais perfeita: não se pode demonstrar caridade maior para com o próximo do que o tirando das trevas do erro e o instruindo na verdadeira fé. “Essa obra de caridade, nos diz Pio XI, supera toda outra obra e prova de caridade, como a alma supera o corpo, como o céu supera a terra, como a eternidade supera o tempo. E, continua o Pontífice, quem exerce essa obra de caridade segundo suas forças, demonstra estimar devidamente o dom da fé e, além disso, manifesta sua gratidão para com a bondade divina partilhando com os pobres pagãos o mais precioso dos dons – a fé – e, com ela, todos os outros bens que lhe estão unidos.” (Rerum Ecclesiae) Cooperemos, portanto, caros católicos com as missões. É uma obra muito meritória e de grande caridade que Deus recompensará com generosidade.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] A importância das rubricas na liturgia

Missal Rubricas

Sermão para o 21º Domingo depois de Pentecostes

13.10.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para o 21º Domingo depois de Pentecostes Importância das Rubricas 13.10.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

“Todas as coisas dependem, Senhor, da vossa vontade e nada há que possa lhe resistir.” (Intróito)

Já tratamos, caros católicos, de alguns aspectos da Missa no Rito Romano Tradicional. Já tratamos do latim na liturgia, já tratamos da orientação do Padre, voltado para Deus e não para o povo, já tratamos do silêncio. E vimos a importância fundamental de todas essas coisas. Consideraremos, hoje, os benefícios, para nós e para a Igreja, que advêm das rubricas precisas e bem determinadas do Rito Romano Tradicional.

Antes de tudo, precisamos compreender o que são as rubricas. Nos livros litúrgicos nós encontramos textos em duas cores. Existem textos em preto e textos em vermelho. Os textos em preto são aquelas coisas que o sacerdote deve falar – em voz alta ou baixa, mas que deve falar. Os textos em vermelho descrevem e explicam o que o Padre deve fazer. As coisas em vermelho são as regras litúrgicas. Da cor vermelha vem o nome de rubrica, que vem de rubro, vermelho. No Rito Tradicional, as rubricas são bem precisas, bem determinadas. São raríssimas as opções no Rito Romano Tradicional. Portanto, a Igreja, assistida pelo Espírito Santo e, sobretudo, por meio de Papas santos – como São Leão Magno, São Gregório Magno, São Pio V – estabeleceu, ao longo dos séculos e baseada no que recebeu de NS e dos apóstolos, com precisão como deveria ser o Rito da Missa. Os senhores, frequentando a Missa Tradicional há um certo tempo, já perceberam que variações são praticamente inexistentes.

É comum ouvirmos críticas com relação à liturgia tradicional afirmando que se trata de uma liturgia engessada, sem espontaneidade, sempre a mesma coisa… Essa determinação precisa dos ritos e cerimônias, caros católicos, é, ao contrário, fundamental e é um grande bem. Primeiramente, as rubricas precisas formadas ao longo dos séculos pelo Espírito Santo, como falamos, deixam claro que é Deus que determina como ele deve ser cultuado. Não somos nós que decidimos como Deus deve ser cultuado, não somos nós que decidimos em um escritório como deve ser o rito da Missa ou que decidimos pelo improviso como Deus deve ser cultuado. Se nós consideramos a Sagrada Escritura, no livro do Levítico nós vemos as inúmeras e precisas regras estabelecidas por Deus de como ele deveria ser cultuado. Ora, se Deus fez isso com os sacrifícios e ritos que eram mera prefiguração do sacrifício perfeito de Nosso Senhor Jesus Cristo, convinha muitíssimo que Ele estabelecesse regras precisas de como deve ser cultuado na nova e eterna aliança. Deus, infinitamente sábio, conhece a fraqueza humana e sabe que, deixando o culto ao arbítrio do homem, grandes abominações serão feitas. Portanto, as rubricas bem determinadas nos dizem que é Deus que estabelece como Ele deve ser cultuado, é Ele que determina o que o agrada. Não somos nós que determinamos como Deus deve ser cultuado.

Em seguida, as rubricas precisas, como consequência óbvia do que acabamos de dizer, deixam claro que a liturgia é teocêntrica, o centro é Deus e não nós, os homens. As rubricas bem determinadas manifestam que a liturgia é algo voltado para Deus e não para o homem. Se pudéssemos determinar como Deus deve ser cultuado, no fundo seríamos nós o centro da liturgia, pois escolheríamos o modo de cultuar Deus que mais nos agrada. A liturgia se tornaria algo para nos agradar e não para agradar a Deus. Assim, as rubricas bem precisas nos mostram que é Deus que determina como Ele deve ser cultuado e nos mostra que o centro da liturgia é Deus, que a finalidade da liturgia é agradar a Deus e não a nós mesmos. Se queremos chegar ao céu, devemos agradar a Deus e não a nós mesmos. O rito bem determinado, com rubricas precisas, nos dá essa grande lição. Achar que estamos agradando a Deus, quando agradamos a nós mesmos, é um dos grandes erros dos nossos tempos.

As rubricas bem determinadas tiram, então, a liturgia do nosso controle e domínio. Não somos nós que determinamos como deve ser a liturgia, mas Deus. O fato de não termos controle e domínio sobre a liturgia nos mostra que ela está acima de nós, que é algo sagrado. Aquilo sobre o que eu tenho controle e domínio é inferior a mim. Ao contrário, aquilo que é determinado independentemente da minha vontade por Deus, é superior a mim, é sagrado. As rubricas bem determinadas nos inspiram, portanto, grande respeito e veneração pela liturgia, porque nos fazem compreender que a liturgia é algo sagrado. E diante do sagrado, do mistério, nossa inteligência não se cansa, apesar da repetição. Ao contrário, a repetição que surge das rubricas bem determinadas e da falta de opções nos permite compreender cada vez mais profundamente o mistério e nos unir melhor a NSJC. Se a cada Missa houver uma novidade, nossa atenção vai se voltar para essa novidade e não para o essencial do que está ocorrendo e nossa compreensão do mistério permanecerá sempre superficial. Procuraremos a novidade que agrada aos sentidos e não a profundidade que nos une a Deus. Ao mesmo tempo, essa repetição dos ritos permite ao sacerdote se concentrar cada vez mais no mistério que ele realiza e, portanto, permite ao sacerdote rezar a Missa cada vez com maior devoção, gerando mais frutos para as almas. A repetição é um grande bem na liturgia.

As rubricas precisas trazem consigo outros grandes benefícios espirituais. O primeiro benefício espiritual é uma grande paz. Uma grande paz para o sacerdote e uma grande paz para os fiéis. Só estamos verdadeiramente em paz, quando sabemos que estamos fazendo a vontade de Deus. A paz não é um sentimento, mas é a consequência de sabermos que estamos fazendo a vontade de Deus, que estamos fazendo aquilo que agrada ao Senhor, ainda que em meio aos maiores tormentos e combates. Ora, com o rito bem determinado pela Igreja ao longo dos séculos, sem as inúmeras opções, estamos certos de estarmos fazendo a vontade de Deus, de estarmos agradando a Deus, cultuando-o conforme Ele quer. Isso deve nos trazer uma grande paz. Com as rubricas precisas, estamos seguros de que fazemos a vontade de Deus. Isso traz uma grande paz para o Padre, em particular, porque ele não tem que se preocupar com o que ele vai escolher para agradar mais aos fiéis, ou para adaptar melhor a liturgia. O Padre não tem que se preocupar em escolher o rito penitencial 1, 2 ou 3. O Padre não tem que se preocupar em escolher tal ou tal prefácio. O Padre não tem que se preocupar em escolher tal ou tal Oração Eucarística. Não, tudo já está determinado, ele pode ficar absolutamente tranquilo de estar agradando a Deus e fazendo o bem para os fiéis. Isso dá na verdade uma grande liberdade ao Padre, pois não fica preso ao seu gosto, ao gosto dos fiéis, ao gosto da pastoral disso ou daquilo. Despreocupado de escolher entre as diversas opções, o Padre pode esquecer a si mesmo, para agir como outro Cristo realmente, e isso traz grandes benefícios para ele e para os fiéis.

As rubricas bem determinadas são também uma mortificação, uma negação de si mesmo, pois nos impedem de controlar a liturgia e nos ensinam a conformidade com a vontade de Deus. Quando controlamos algo tiramos disso uma satisfação. Controlar a liturgia ou determiná-la conforme a nossa preferência nos daria uma satisfação desordenada, pois estaríamos submetendo um bem espiritual aos nossos sentimentos. As rubricas bem determinadas impedem que um grupo imponha a sua espiritualidade ou falta de espiritualidade aos outros fiéis. As rubricas impedem as Missas carismáticas, as Missas das crianças, a Missa disso e daquilo. As rubricas deixam claro também que a liturgia não deve ser basear na personalidade do sacerdote. Hoje é muito comum ouvirmos: gosto da Missa do Padre tal, gosto da Missa daquele outro Padre. Isso é um sinal de que os Padres fazem a Missa corresponder à vontade deles. Tem algo gravemente errado nisso. A Missa é da Igreja e não do Padre tal ou tal.

Colocando Deus no centro, fazendo-nos cumprir a vontade de Deus, fazendo com que neguemos a nós mesmos, as rubricas precisas favorecem também a virtude da obediência. Ora, se na Missa, na liturgia, que é o que há de mais importante, eu posso fazer as coisas conforme a minha vontade, porque terei que obedecer em outras coisas menos importantes? As rubricas são indispensáveis para que haja a virtude da obediência, a prontidão em se obedecer às legítimas ordens dos superiores.

São inúmeros, caros católicos, os benefícios trazidos pelas rubricas precisas do Rito Romano Tradicional. Digo do Rito Romano Tradicional porque, infelizmente, a liturgia reformada em 1969 possui rubricas, sim, mas são tantas as opções permitidas pelas rubricas, que, no fim das contas, o princípio por trás das novas rubricas é praticamente faça como quiser. Pode-se escolher entre tantos ritos iniciais, posso escolher entre tantos ritos penitenciais, posso escolher entre tantas orações universais, posso escolher entre tantas orações eucarísticas… No fundo, é praticamente como se fosse dito, faça como quiser. E a psicologia humana funciona dessa forma. Acostumados a fazermos sempre as nossas vontades nas coisas lícitas, passaremos facilmente a fazer as coisas ilícitas. É regra de ouro na vida espiritual mortificar-se mesmo nas coisas lícitas para evitar mais facilmente as ilícitas. Quem faz sempre a própria vontade nas coisas lícitas, passará facilmente às ilícitas. Assim, das inúmeras opções permitidas pelas rubricas se passou rapidamente aos abusos, pois as inúmeras opções favorecem a nossa vontade própria e dão a impressão de que a liturgia é obra nossa e não de Deus, colocando-nos no centro. Além disso, tantas opções tiram a paz do sacerdote e dos fiéis, tiram o foco do sacrifício que se oferece no altar para nos focar nas opções, nas novidades. Daí, dessa grande liberdade nas rubricas, entre outras razões, o caos litúrgico que vivemos hoje, com tantos e tantos abusos, muitos deles graves.

O Livro dos Reis nos relata um exemplo interessante de abuso litúrgico. Heli era o sumo sacerdote naqueles tempos e ele tinha dois filhos que a Sagrada Escritura chama de filhos de Belial, dada a impiedade deles nos sacrifícios. Esses filhos de Heli pegavam indevidamente para si parte dos sacrifícios que os israelitas ofereciam, pegavam para si indevidamente a carnes dos animais oferecidos. Ou seja, colocavam-se no centro, no lugar de Deus. Grandes foram as consequências desses abusos dos filhos de Heli. A primeira dessas consequências que o povo se afastou dos sacrifícios, a segunda foi a morte dos filhos de Heli e a terceira foi a derrota de Israel para os filisteus e a conquista da Arca da Aliança pelos filisteus. E tão graves consequências por abusos nos sacrifícios que eram tão somente prefigurações do sacrifício imaculado de Cristo. Os abusos litúrgicos na Missa têm consequências semelhantes, caros católicos: eles afastam o povo devoto do sacrifício (até porque ninguém é obrigado a assistir a uma Missa em que ocorrem abusos litúrgicos sérios), fazendo que o povo perca o respeito pelo sacrifício, pelo que há de mais sagrado. Em seguida, os abusos litúrgicos prejudicam gravemente o povo, matando muitas almas espiritualmente, a começar pela alma do próprio sacerdote que o comete conscientemente. Finalmente, os abusos litúrgicos abrem largamente o flanco para que os inimigos da Igreja alcancem vitórias sobre ela e a humilhem. A negligência no que há de mais sagrado tem consequências gravíssimas e prejudica a salvação das almas. Tendo isso em vista, a Igreja sempre considerou que o sacerdote que não cumpre voluntariamente uma rubrica comete um pecado. Um pecado venial, se é uma rubrica sem maior importância, ou um pecado mortal, se é uma rubrica importante.

As rubricas bem precisas e bem determinadas da liturgia tradicional são um grande bem e um grande auxílio para a nossa vida espiritual e para a Santa Igreja. Elas são como as muralhas de um castelo, defendendo o tesouro da liturgia, do nosso maior tesouro.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] O Brasil escravo de Nossa Senhora Aparecida

Sermão para a Festa de Nossa Senhora Aparecida

12.10.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para a Festa de Nossa Senhora Aparecida – O Brasil escravo de Maria 12.10.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito santo. Amém.

Ave Maria…

***

Hoje, Festa de Nossa Senhora Aparecida. Lembro aos pais que devem explicar aos filhos que a importância do dia de hoje é devida a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, e não porque é o dia das crianças. O feriado foi instituído e existe em honra de Nossa Senhora Aparecida.

***

Caros católicos, quando falamos da natureza do culto devido a Nossa senhora dissemos que, além da veneração, da invocação, do amor, da gratidão e da imitação, era devido a Maria Santíssima também um culto de escravidão. A Nossa Senhora como Rainha do céu e da terra, de tudo e de todos, se deve uma verdadeira escravidão. Uma escravidão por amor. E essa escravidão sintetiza perfeitamente todos os outros atos pertencentes ao culto de Maria. O escravo fiel a sua Rainha, a venera, reconhecendo sua singular excelência. O escravo ama a Rainha que o governa tão bem, e ele procura, consequentemente, agradar em todas as coisas à Rainha. O escravo tem gratidão por uma Senhora e Rainha que fez e faz por ele tantos favores e obtém tantas graças. O escravo invoca e recorre com grande confiança a uma Rainha que conhece suas necessidades, e que pode, e quer socorrê-lo em suas dificuldades. O escravo fiel, por último, trata de imitar a Rainha, já que reconhece nela o modelo de todas as virtudes.

Que Nossa Senhora seja Rainha, caros católicos, é inegável. Ela é Rainha porque é a Mãe do Rei, ela é a Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nosso Senhor é Rei mesmo enquanto homem porque está unido com o Verbo ao ponto de formar com Ele uma só pessoa, uma pessoa divina. Nosso Senhor é Rei porque nos redimiu na cruz, quer dizer, Ele é Rei por direito de conquista. Nossa Senhora, por sua vez, é Rainha porque é a Mãe de Deus, o que a faz ter uma relação única com Nosso Senhor Jesus Cristo, com o Verbo. Nossa Senhora é Rainha também porque é corredentora, porque participou de forma singular em nossa redenção, adquirindo sobre nós a realeza. Ela é Rainha porque sua santidade é maior que a de todas as outras criaturas, incluindo os anjos. Vemos isso claramente na Ladainha de Nossa Senhora. Mais especificamente, ela é Rainha dos Anjos porque conhece mais profundamente que eles os mistérios divinos. Rainha dos patriarcas porque supera todos eles em heroísmo e em piedade. Rainha dos profetas porque os supera no dom da profecia. Rainha dos apóstolos porque os supera no zelo pela glória de Deus e salvação das almas. Rainha dos mártires porque supera todos eles na virtude da fortaleza. Rainha dos confessores porque sua fé aqui na terra era imensamente superior à fé dos confessores. Rainha das virgens porque supera todas elas com sua pureza imaculada. Enfim, Rainha de todos os santos.  É óbvio que a realeza de Maria é uma realeza dependente e subordinada à realeza de Jesus Cristo. Não são, portanto, dois reinados absolutos e independentes. O reinado de Nossa senhora depende e está subordinado ao de NS. E Maria, como dispensadora de todas as graças adquiridas por Cristo, participa de modo sublime no governo de seu Filho, ajudando-nos a viver em conformidade com a lei da graça.

Nossa Senhora é, portanto, verdadeiramente Rainha, quer queiramos ou não. A nós cabe reconhecer a realeza dessa Rainha que é também nossa Mãe e nos submeter plenamente, entregando a ela tudo o que temos, tudo o que somos, todas as nossas ações passadas, presentes e futuras. Nós já sabemos que o melhor meio para chegar a Nosso Senhor é por Maria, é pela devoção a Maria. E a melhor devoção a Maria é a consagração total a ela como escravos dela, reconhecendo que pertencemos a ela, que somos propriedade dela e entregando tudo a ela, para que ela disponha disso da melhor maneira possível com o objetivo de dar maior glória a Deus e de salvar as almas. Pela consagração total a Maria, nós entregamos tudo a Nossa Senhora: corpo, alma, os bens exteriores, como casa, família, riquezas, e os bens interiores, como méritos, graças, virtudes, satisfações. Nós nos imolamos inteiramente a Jesus nos consagrando totalmente a Maria, e sabendo que, apresentados pelas mãos de Nossa Senhora, esses bens terão muito mais valor aos olhos de Deus e serão aproveitados de forma muito mais perfeita. Além de nos entregarmos inteiramente a Maria, a total consagração a ela consiste também em fazer todas as coisas por Maria, com Maria, em Maria e para Maria. Não basta fazer o ato de consagração e renová-lo com regularidade, se não se vive realmente uma vida espelhada em Maria. É preciso fazer todas as coisas com Maria, quer dizer, tomando-a como modelo de santidade. Fazer todas as coisas em Maria, quer dizer, em união com ela. Fazer todas as coisas por Maria, sempre por meio dela e por sua intercessão, ainda que implicitamente, sem precisar dizer a cada vez que estamos pedindo sua intercessão. Fazer todas as coisas para Maria, para agradar-lhe e poder, assim, agradar a Nosso Senhor Jesus Cristo e à Santíssima Trindade. Fazer tudo com Maria, em Maria, por Maria e para Maria, como diz São Luís de Montfort, para podermos fazer da melhor maneira possível tudo com Jesus, em Jesus, por Jesus e para Jesus. A total consagração a Maria, nunca é demais repetir, é a mais perfeita consagração a Jesus, pois Maria nos conduz a Ele com suavidade, com firmeza e rapidez.

São inúmeros os benefícios dessa total consagração a Jesus por meio da escravidão a Nossa Senhora. Ela nos consagra inteiramente ao serviço de Deus, entregando a Jesus por Maria tudo o que somos e temos. Com essa consagração, imitamos Nosso Senhor Jesus Cristo, que se submeteu a Nossa Senhora durante grande parte de sua vida e ainda hoje atende a todos os seus pedidos. Ela nos traz grandes benefícios porque atrai o amor de Nossa Senhora e seus auxílios especiais. Maria Santíssima, ao ver que alguém se despoja de tudo para honrá-la e servi-la, não poupará esforços para ajudá-lo no caminho para o céu. Com essa consagração, nossas boas obras são purificadas. A melhor de nossas obras sempre é feita com certo amor próprio, em virtude de nossas fraquezas. Quando as entregamos a Maria, ela purifica nossas boas obras dessas pequenas manchas. Com essa consagração, nossas obras se tornam mais belas diante de Deus. Se oferecêssemos uma simples maçã ao Rei, como diz São Luís de Montfort, nosso oferecimento talvez não fosse tão agradável. Mas quando entregamos essa maçã para a Rainha, ela a coloca em uma bela bandeja de ouro e apresenta essa simples homenagem ao Rei, que ficará muito benévolo em virtude da intermediária e em virtude do modo pelo qual chegou até Ele a homenagem. Essa devoção é também boa para o nosso próximo, pois Nossa Senhora saberá aproveitar plenamente nossas boas obras para o bem dos outros. Enfim, essa consagração é a melhor coisa que podemos fazer se queremos realmente nos converter, caros católicos. Uma explicação tão breve dá somente uma pálida ideia do que é essa escravidão por amor, do que é essa consagração total a Jesus por Maria. Recomendo que leiam o Livro de São Luís de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção a Maria, se quiserem entender bem esse tesouro inesgotável e tendo-o lido, que procedam à consagração, se ainda não a fizeram Que procedam a essa consagração com a real intenção de conversão, de servir Nossa Senhora e Nosso senhor Jesus Cristo. Lembro a todos que a devoção a Nossa Senhora não é uma devoção sentimental ou açucarada. A devoção a Nossa senhora deve nos preparar para a batalha. Para os homens e rapazes, em particular, a devoção a Nossa Senhora deve favorecer a virilidade, tornando-nos capaz de controlar nossas paixões e de nos dispor ao combate espiritual.

Tudo isso que falamos se aplica no plano pessoal, caros católicos. Todavia, se aplica também no plano social. Toda sociedade é também uma criatura e, como tal, deve reconhecer e se submeter à Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo e à realeza de Nossa Senhora. O Brasil tem por Rainha Nossa Senhora da Imaculada Conceição sob o título de Aparecida. Se o Brasil quer realmente viver na ordem, é preciso que seja escravo de Nossa Senhora. O Brasil precisa venerá-la, invocá-la, amá-la, agradecer-lhe, imitá-la, submeter-se a ela. Somente assim haverá a verdadeira ordem, que não pode ser outra do que a ordenação de tudo a Nosso Senhor Jesus Cristo. Somente reconhecendo a realeza e a soberania de Nossa Senhora o país poderá ter um verdadeiro progresso, que não é simplesmente um progresso econômico-social, mas que é um progresso das virtudes no povo, das virtudes naturais e sobrenaturais. Ao desprezar Maria Santíssima com tantas leis iníquas (indiferentismo religioso, aborto em alguns casos, uniões homossexuais e tantas outras coisas); ao desprezar Maria por um sistema político completamente esquecido de seu Filho e de sua Igreja; ao desprezar Maria por uma sociedade cada vez mais hostil à religião católica; ao desprezar Maria pela falta de culto público tributado a ela; ao desprezar Nossa Senhora de tantas formas, o Brasil caminha para o abismo. É nosso dever de piedade filial rezar pelo Brasil, recorrer a Nossa Senhora, pedindo pelo Brasil. E, ao pedirmos pela Brasil, devemos pedir não somente pelos governantes, mas também pelo clero, pelos bispos, pelos sacerdotes, para que sejam fiéis e santos.

Claro, devemos batalhar na esfera pública pela realeza de Nossa Senhora, mas devemos começar reconhecendo a realeza dela sobre a nossa alma. Uma ação individual tem um efeito sobre toda a sociedade, inevitavelmente. Assim, um pecado individual, ainda que praticado sozinho, sem o conhecimento dos outros, traz um prejuízo para a sociedade, porque esse pecado prejudicou ao menos um membro da sociedade e, ao prejudicar um membro, é toda a sociedade que é prejudicada. De forma semelhante, mas ainda mais intensa, uma ação meritória traz um benefício para toda a sociedade ainda que seja uma ação desconhecida das outras pessoas, pois essa ação fez um bem ao menos para um membro da sociedade, e, ao beneficiar um membro da sociedade, toda a sociedade é beneficiada. Portanto, caros católicos, podemos imaginar o bem que traz para a sociedade a alma que se consagra totalmente a Nossa Senhora e vive realmente essa consagração. Se queremos mudar a sociedade, devemos primeiro mudar a nós mesmos.

Roguemos a Maria Santíssima para que alcance de seu divino Filho misericórdia para nosso país tão ingrato com os benefícios divinos, benefícios naturais e sobrenaturais. Em particular, o benefício de ter dado ao nosso país, por meio dos missionários portugueses, a fé. A fé católica, que cada vez mais se enfraquece em nossa sociedade, nos fazendo voltar a viver como pagãos. Roguemos a Maria para que tenha piedade de nosso país, que está em ruínas espiritualmente falando. E quando uma sociedade está em ruína espiritualmente, todo o resto termina também desmoronando. Nós repetiremos, após a Missa, a oração e a consagração a Nossa senhora Aparecida feita pelos bispos do Brasil diante das autoridades civis em 1931. Faremos a nossa parte para que o Brasil reconheça a sua rainha e a sirva dignamente, para assim servir ao Rei dos reis, NSJC. Faremos a nossa parte para honrar publicamente a Nossa Senhora Aparecida. Se Nossa senhora for devidamente honrada publicamente nos dará abundantes graças, como ao ser encontrada nas águas do Rio Paraíba fez com que a pesca fosse abundante. Sem Maria, não há peixes. Com Maria, eles são abundantes.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão]: O Santo Rosário: arma espiritual para alma, a Igreja e a sociedade

Sermão para a Solenidade da Festa de Nossa Senhora do Rosário – 20º Domingo depois de Pentecostes

06.10.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para o 20º Domingo depois de Pentecostes – N. Sra. do Rosário 6.10.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

 “Fazei-nos, Senhor, pelos mistérios do Sacratíssimo Rosário, meditar na vida, paixão e glória de Vosso Filho Unigênito, para que sejamos dignos das promessas d’Ele.” (Secreta da Festa de Nossa senhora do Rosário).

Como sabemos, caros católicos, a festa de Nossa Senhora do Rosário foi instituída pelo Papa São Pio V em 1571, após a vitória dos católicos na batalha naval de Lepanto, contra os mulçumanos turcos. O primeiro nome da festa foi o de Nossa Senhora da Vitória. Logo em seguida, o Papa Gregório XIII mandou que a festa fosse em honra de Nossa Senhora do Rosário. Provavelmente, o Papa Gregório XIII queria não somente lembrar a vitória alcançada por Nossa Senhora, mas também a principal arma empregada para que a vitória ocorresse: o Santo Rosário, pois o Papa São Pio V pedira a todos os católicos que rezassem o Terço, para que os católicos vencessem a batalha naval. Ao mesmo tempo, todos os que estavam a bordo das galés também levavam consigo o Rosário. E o estandarte da nau capitânia de Dom João de Áustria, o chefe dos cristãos, era Cristo crucificado. E, além da cruz, ele levava também uma cópia de uma misteriosa imagem de Nossa Senhora que havia aparecido no manto de um índio no México. A bordo da nau de Dom João de Áustria, estava, então, a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe. Os Missionários, graças a Deus, nos trouxeram a verdadeira religião, nos trouxeram Jesus Cristo. O continente americano ajudava agora, com Nossa Senhora de Guadalupe, na preservação do Velho Continente, a Europa. A festa de Nossa Senhora do Rosário foi assim instituída, por gratidão a tão boa Mãe e para favorecer a prática dessa excelente devoção que é o Terço. Em Lepanto, a civilização cristã foi salva contra a barbárie dos turcos mulçumanos pelo Rosário.

Como sabemos também, caros católicos, o Santo Rosário foi a arma dada por Nossa Senhora a São Domingos de Gusmão, fundador da Ordem dos Dominicanos, para ele vencer a heresia albigense ou cátara, heresia descendente do maniqueísmo, e que atingia, particularmente, o sul da França. Tratava-se de uma heresia monstruosa, que considerava a matéria como um mal. Assim, havia a prática do suicídio, eles se opunham ao matrimônio, pois o matrimônio, pela procriação, geraria almas presas a corpos. Por outro lado, favoreciam qualquer outro ato de luxúria, desde que se evitasse a concepção, e não viam com maus olhos a união entre pessoas do mesmo sexo. Destruíam, portanto, a família e combatiam muitas outras instituições sociais: eram contra a pena de morte, contra qualquer tipo de guerra, ainda que defensivas. Era uma heresia que conduzia ao caos social. Eles negavam, evidentemente, a ressurreição da carne, mas acreditavam na reencarnação, negavam o livre-arbítrio, etc. Muitas coisas que vemos amplamente espalhadas em nossa sociedade, não por acaso. Tratava-se, então, de uma heresia que se opunha à fé e que trazia grandes prejuízos à sociedade civil. São Domingos com suas pregações, com suas virtudes, conseguiu pouca coisa diante desses hereges. Foi com o Rosário dado por Nossa Senhora que ele conseguiu tirar as almas desse erro tremendo. O Rosário, na forma em que o conhecemos hoje, foi dado por Nossa Senhora a São Domingos nessa ocasião. O Rosário é o protetor da civilização católica, como vimos na batalha de Lepanto. O Rosário é também arma contra as heresias, como visto no caso dos albigenses.

Caros católicos, se a oração do Rosário pode fazer tanto bem em coisas de tal importância, quanto bem ele não faz para a nossa alma? O terço é também oração eficaz, muito eficaz para a nossa santificação, para que nos convertamos inteiramente a Nosso Senhor Jesus Cristo. Se rezássemos bem o terço, a heresia do modernismo já teria desaparecido. Essa heresia que, simplificando e resumindo, consiste em afirmar que podemos acreditar no que quisermos e que podemos fazer o que quisermos, desde que nos sintamos bem, desprezando aquilo que nos foi dito por Deus. “Acredite no que quiser, siga a moral que quiser, o importante é você se sentir bem, pois se se sente bem está com Deus”, ouvimos com frequência. Se rezássemos bem o terço, nosso país não estaria se afastando cada vez mais das leis de Deus. Se rezássemos bem o terço, nos afastaríamos definitivamente dos pecados mortais e dos pecados veniais deliberados, nos tornaríamos santos.

Se rezássemos bem o Terço… Mas o que é rezar bem o Terço? Como rezá-lo bem? O Terço é uma oração vocal e mental, caros católicos. Isso significa que devemos rezá-lo com todas as condições necessárias para uma boa oração vocal: estar em estado de graça, ou, ao menos, desejar verdadeiramente sair do estado de pecado mortal, se nos encontramos nele. Em seguida, devemos pedir coisas úteis para a nossa salvação, bens espirituais, antes de tudo. Devemos rezar com recolhimento, com atenção, evitando as distrações voluntárias, combatendo as involuntárias. Devemos rezá-lo com humildade, sabendo que não somos dignos de sermos atendidos. Devemos rezar com resignação, aceitando a vontade de Deus, que conhece perfeitamente o que é o melhor para nós. Devemos rezar com perseverança e grande confiança de sermos atendidos, se pedimos o que é bom para nossa alma. Se deixarmos uma dessas coisas de lado, nosso Terço já não será muito eficaz, perderá muito de sua potência. Mas o Terço é também oração mental, caros católicos. Isso significa que, ao rezar o terço, devemos considerar os mistérios da vida de Cristo e de Nossa Senhora e devemos tirar frutos, resoluções práticas, para a nossa vida, para nos corrigirmos em tal erro, para progredirmos em tal virtude, etc. O Terço bem rezado supõe essa oração mental, essa consideração dos mistérios do Terço e a resolução prática para progredirmos na prática do bem. Nessa união de oração vocal e mental está a profunda riqueza do Terço. Ao rezarmos bem as mais excelentes e perfeitas orações – Pai Nosso e Ave Maria – e considerarmos os mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos de Nosso Senhor e Nossa Senhora, nos fixaremos no bem, nos tornaremos santos, nos dirigiremos para o céu, trabalharemos para o bem da Igreja e da sociedade.

Não é, porém, tarefa fácil conciliar a oração vocal e mental no Santo Terço. Cada um pode procurar uma maneira de conjugar a oração vocal e mental no Terço. Todavia, o Padre Antonio Royo Marín nos indica um método eficaz e simples. Ele diz que devemos, nas três primeiras Ave Marias de uma dezena, prestar atenção nas palavras que estão sendo ditas. Aqui está a oração vocal. Nas três Ave Marias seguintes, ele diz que devemos considerar o mistério em questão: a encarnação, a agonia de Jesus, a coroação de Nossa senhora, etc. Nas quatro últimas Ave Marias, devemos fazer uma pequena resolução para nossa vida espiritual, de acordo com o mistério considerado. A humildade para a encarnação, por exemplo. No começo, talvez tenhamos dificuldade, mas o importante é não desistirmos nem desanimarmos, mas perseverarmos e avançarmos, ainda que lentamente.

Rezar bem o Terço é uma grande arma no combate espiritual. É uma arma tão importante que Nossa senhora veio até nós insistir para que o rezássemos todos os dias. Em Fátima, Nossa Senhora insiste para que se reze o terço todos os dias. Em cinco das seis aparições, ela pede para que as crianças rezem o terço diário, para que se alcance a paz e o fim da guerra, da 1ª Guerra Mundial, no caso. Se nós queremos a verdadeira paz, que é a paz da graça, a paz do verdadeiro amor a Deus, devemos rezar o terço. O Terço, quando bem rezado, opera grandes prodígios, caros católicos. O maior deles é a conversão de nossa alma. Quem reza bem o Terço vai deixar o pecado grave. O terço e o pecado não podem coexistir durante muito tempo. Ou se abandona um ou se abandona o outro. Aqueles que ainda não o rezam diariamente, aproveitem essa festa de Nossa Senhora do Rosário e o mês do Rosário – outubro – para tomar a resolução de rezá-lo diariamente. Isso é fundamental. Rezemos o Terço e façamos isso em família, caros católicos, na medida do possível. Infundam nos filhos um grande amor ao Terço. Comecem a rezar com eles pequenos, pouco a pouco, com uma dezena, depois duas, e assim por diante, na medida em que for possível para a criança. As crianças de Fátima eram justamente crianças e rezavam o Terço. Lúcia tinha 10 anos. Francisco, 9. Jacinta, 7. Se vocês ensinarem os filhos a rezar o Terço, estarão lhes dando um grande tesouro.

No Evangelho de São João, nos é narrado que, após a ressurreição de Cristo, houve mais uma pesca milagrosa em que os apóstolos pescaram 153 peixes, sem que a rede se rompesse. O Rosário completo é composto de 153 Ave Marias. O Rosário e a terça parte dele – o nosso Terço – é como uma rede que captura graças abundantes sem se romper. O Terço é a devoção que mais agrada a Nossa Senhora. Quantas graças para aqueles que praticam e amam essa devoção. Se rezássemos bem o terço, nossa alma seria outra, a situação da Igreja seria outra, a condição da sociedade seria outra. Ficar se lamentando e reclamando, não adianta nada. Tomemos nosso Terço e rezemos. Se queremos nos tornar santos, se queremos destruir a heresia, se queremos construir uma sociedade cristã, rezemos o Santo Terço.

[Sermão] São Miguel, o demônio e o combate espiritual.

Sermão para a Festa da dedicação de São Miguel Arcanjo / 19º Domingo depois de Pentecostes

 29.09.2013 – Padre Daniel Pinheiro

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

“São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate para não perecermos no dia do juízo terrível.” (Aleluia da Missa da Festa Dedicação de São Miguel Arcanjo)

A Festa que nós celebramos hoje não é simplesmente a Festa de São Miguel Arcanjo, mas é a Festa da Dedicação de São Miguel Arcanjo. Que dedicação é essa? Originalmente, se trata, provavelmente, da dedicação a São Miguel Arcanjo, feita nos primeiros séculos, nos subúrbios de Roma, de uma Igreja que ficava próxima à Via Salaria. Esse é, talvez, o significado original da Festa. Todavia, ela significa, hoje, a dedicação da Igreja Católica a São Miguel Arcanjo, que é, então, defensor da Santa Igreja.

A doutrina comum dos teólogos admite que há anjos da guarda não só dos homens, mas também de sociedades, de países, de dioceses, de paróquias, etc. São Miguel é como o anjo da guarda da Santa Madre Igreja, como o foi do povo judeu. E como anjo da guarda ele defende a Igreja constantemente dos males e perigos. Ele combate os demônios para que não façam tanto dano quanto gostariam de fazer. Ele favorece e inspira boas decisões aos membros da hierarquia. Ele oferece a Deus nossas orações: no momento da incensação no ofertório se invoca especificamente a intercessão de São Miguel Arcanjo. O incenso representa nossa oração e São Miguel a apresenta diante de Deus. São Miguel Arcanjo nos assiste também na hora de nossa morte e, por isso, se pede a ele, na Missa de Réquiem (de Defuntos), que leve as almas à santa luz. Eis algumas das funções de São Miguel a quem a Santa Igreja se dedica.

Todavia, São Miguel é o príncipe da milícia celeste, ele nos defende no combate. E creio que seja esse o principal fruto que podemos tirar hoje dessa festa: “a vida do homem sobre a terra é um combate (militia est vita hominis super terram)”, como nos diz o livro de Jó (7, 1). E, como nos diz São Paulo, não é somente contra a carne e o sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades do inferno, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra os espíritos malignos espalhados nos ares (Efésios 6, 12). E Nosso Senhor diz: “Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada” (Mateus 10, 34). E, assim, poderíamos multiplicar as passagens da Sagrada Escritura que nos mostram que estamos em combate, em combate pela glória e honra do Deus altíssimo, pelo bem e liberdade da Igreja e em combate pela salvação de nossas almas. E, por isso, a Igreja que está no mundo se chama Igreja Militante.

Nosso combate é, então, principalmente contra o demônio, o pai do pecado. Os demônios, os anjos caídos, têm por finalidade conduzir o homem à separação de Deus. Os demônios odeiam profundamente a Deus e odeiam a imagem e semelhança que os homens em estado de graça têm com Deus. Os demônios trabalham, portanto, para destruir a vida da graça em nós. Fazem isso por ódio a Deus e por inveja a nós, que ainda temos a possibilidade de nos salvarmos. O desejo íntimo deles é que a adoração devida a Deus seja prestada a eles. Se te prostrares a meus pés, adorando-me, eu te darei tudo isso, diz o demônio a Nosso Senhor. E, para atingir o seu propósito, satanás e seus asseclas têm armas poderosas. Evidentemente, eles tentam as pessoas individualmente, sugerindo o pecado, colocando coisas na nossa imaginação, por exemplo, tentando nos fazer consentir no mal. Lembro, porém, que os demônios não podem agir sobre nossa inteligência nem sobre a nossa vontade. Aqui, somente nós e Deus podemos agir. Mas os demônios vão além dessa tentação individual. Querendo ser como Deus, eles imitam a ação de Deus. Deus faz que todas as coisas se dirijam ao bem daqueles que o amam. Os demônios, ao contrário, tentam dirigir tudo para o mal. Eles potencializam ao máximo os pecados individuais para formar, a partir deles, estruturas de pecado, quer dizer, o demônio usa esses pecados pessoais para organizar e sistematizar uma cultura que favoreça o pecado, para organizar sociedades, grupos que favoreçam o pecado, etc. Podemos ver isso no caso das falsas religiões, que, às vezes, começam com um pecado pessoal – pensemos no caso de Lutero, por exemplo, que, com seus escrúpulos, dividiu a cristandade ao meio, criando o protestantismo para justificar a sua consciência. Podemos ver essa estrutura de pecado nas sociedades secretas, na maçonaria, verdadeira anti-Igreja. Essas estruturas de pecado estão muito bem instaladas hoje, caros católicos. Às vezes, elas são evidentes, como nos casos que acabamos de mencionar e outros: falsas religiões, sociedades secretas, indústria pornográfica, o sistema político que não leva em conta Deus e sua Igreja, etc. Muitas vezes, porém, essas estruturas são mais discretas, menos perceptíveis. É o caso de muitas das diversões de nossos dias. Quantos filmes que introduzem sorrateiramente um ponto contra a fé ou que introduzem por uma única cena a impureza em nossa alma. E a televisão, então? E quantas músicas, seja pela letra seja pelo ritmo também não favorecem o pecado, a desordem nos nossos apetites. E também os livros ruins… São João Bosco, em uma de suas visões, via a barca da Igreja sendo atacada por livros… por livros ruins. Agora, há meios bem mais eficientes de atacá-la: os filmes ruins, a televisão, internet. Não estou dizendo que essas coisas são necessariamente ruins. Podem ser boas. Mas quão raramente podemos encontrar filmes que de nenhum modo prejudiquem a nossa alma ou programas de TV que de nenhum modo prejudiquem a nossa alma. Temos também as modas ofensivas a Nosso Senhor, as máximas do mundo, jogos de computador. Em algumas coisas, o demônio se manifesta mais claramente, como na série Harry Potter, por exemplo, ou como em um jogo de computador em que o objetivo é matar o Papa. A diversão moderada é legítima, mas não é lícita a diversão quando se ofende a Deus ou quando se prejudica a nossa alma. É o demônio o principal autor da cultura de morte em que vivemos hoje, uma cultura que favorece e facilita tanto o pecado e mesmo pecados gravíssimos como o aborto, a prática homossexual, etc. Quão grande deve ser o nosso cuidado com tudo isso, para evitarmos em tudo a ofensa a Deus.

O demônio é insidioso, ele arma ciladas para nos perder, e, como nos diz São Pedro, “o demônio, nosso adversário, anda ao redor de nós como um leão que ruge, buscando a quem devorar” (1 Pedro 5, 8). O demônio ataca. Suas armas são poderosíssimas. No mais das vezes, ele é sutil, tentando fazer com que sirvamos a dois senhores, a Deus e ao mundo, mundo entendido aqui como tudo o que conduz ao pecado. O demônio nos sugere: “você pode servir a Deus, mas não precisa abandonar aquela série de TV de que você tanto gosta só porque lá se fala um pouquinho mal da Igreja ou porque lá se faz uma apologia do amor livre”; “você pode servir a Deus, mas não precisa abandonar aquela roupa de que você gosta e que atrai olhares indevidos.” “você pode servir a Deus, mas não precisa abandonar aqueles lugares mundanos que você frequenta”; “isso aqui é só um pecado leve, não pode fazer tão mal, não precisa abandoná-lo…”

O demônio ataca… e nós, nos defendemos ou nos deixamos levar por essas ciladas, caros católicos? Devemos combater o bom combate. Se as armas do demônio são poderosas, elas não são nada comparadas às armas que Deus nos dá, pois o demônio é como um nada diante de Deus. Auxiliados pela graça e apoiados em NSJC, em Nossa Senhora, nos anjos e santos, os ataques do demônio serão vãos. Para nos defender e atacar, algumas de nossas principais armas são: a fé viva, a oração, os sacramentos (confissão, comunhão e crisma, para quem ainda não é crismado), a meditação da paixão de Cristo, a devoção a Nossa Senhora, os sacramentais (em particular água benta, a bênção do lar), a fuga das ocasiões de pecado, a mortificação, etc… E, importantíssimo, caros católicos, é preciso ter um desejo profundo da santidade, de amar a Deus com todo o nosso ser e ao próximo por amor a Deus. Devemos ter esse desejo profundo de servir unicamente a Nosso Senhor Jesus Cristo. Devemos considerar com frequência a bondade de Deus, suas perfeições. Devemos considerar com frequência a alegria que é servi-lo aqui na terra e a alegria que teremos no céu, se servimos a um só Senhor aqui na terra.

O demônio, como não poderia deixar de ser, ataca também a Igreja. A tentação é clara e, mais uma vez, é, no fundo, aquela terceira tentação de Cristo no deserto: “Igreja, se te prostrares diante de mim, adorando-me e adaptando a tua doutrina e a tua moral, te darei tudo: a aceitação do mundo, maior número de fiéis, não haverá mais perseguições, etc.” Quão mentiroso é o demônio. Se a Igreja não pode sucumbir, caros católicos, pois as portas do inferno não prevalecerão, conforme as promessas de Cristo, essa tentação é bem real e bem presente para os homens da Igreja. Nós devemos, então, rezar a São Miguel para que defenda a Igreja, ele que é seu protetor. Na liturgia tradicional, após a Missa rezada, o padre diz as chamadas orações leoninas, introduzidas pelo Papa Leão XIII, e depois complementadas por São Pio X. Depois da Missa rezada, o padre se ajoelha diante do altar e recita com os fiéis três Ave-Marias, uma Salve Rainha, uma oração para Nossa Senhora na qual se pede a exaltação e a liberdade para a Igreja. Em seguida, recita a oração a São Miguel Arcanjo, contra o demônio e os outros espíritos malignos. E se concluem as orações leoninas com a invocação ao Sagrado Coração de Jesus, repetida três vezes. Assim, todos os padres no mundo inteiro imploravam diariamente e diante do altar, logo após a Missa, a intercessão de São Miguel contra as ciladas do demônio. Isso se perdeu com reforma litúrgica. Não é de se espantar que a influência do demônio tenha aumentado. Devemos recitar diariamente essa oração a São Miguel Arcanjo, caros católicos, pela Igreja e por nós mesmos, para que sejamos preservados das insídias e ciladas do demônio. E devemos usar as armas que mencionamos há pouco.

O demônio é um anjo caído, extremamente inteligente e muito capaz no mal, mas ele é uma mera criatura. O demônio não é um deus do mal, mas ele é uma pura criatura, infinitamente inferior a Deus, a Nosso Senhor Jesus Cristo. E inferior aos anjos, que possuem a graça de Deus. Em particular, ele é muito inferior a São Miguel. O nome Miguel indica justamente isso, pois Miguel quer dizer: quem é como Deus? Ninguém é como Deus, soberano Senhor e criador de todas as coisas.  Sendo uma mera criatura, o demônio só age no mundo na medida em que Deus o permite, segundo os desígnios da sua divina providência. A ação do demônio também entra nos planos da divina providência e Deus permite que ele aja para tirar da ação do demônio um bem muito superior. Vemos isso claramente durante a vida de Nosso Senhor. O demônio incitou a paixão e a morte de Nosso Senhor, pensando vencer definitivamente o Messias. Mas sem saber e sem querer, ele trabalhou para a salvação do mundo e para a sua própria derrota. Deus não quer a ação do demônio, mas ele não a impede, para tirar dela um bem superior. Como nos diz Santo Agostinho: “O Deus todo poderoso […], sendo sumamente bom, não deixaria de nenhum modo que existisse o mal, se Ele não fosse suficientemente poderoso e bom para tirar do mal um bem” (Enchiridion III, 11) e um bem maior. O demônio é uma mera criatura, e Deus, não impedindo o mal realizado pelo demônio, tira desse mal, das tentações, um bem maior, para sua glória e para nós, se buscamos em todas as coisas a vontade de Deus.

Estamos em um grande combate, caros católicos, um combate espiritual. Não só contra a nossa carne ferida pelo pecado original, não só contra o mundo, mas contra os espíritos malignos. Nesse combate, devemos recorrer aos anjos, a São Miguel em primeiro lugar, aos nossos anjos da guarda. E devemos fazer isso de forma correta, pois existem hoje várias devoções aos anjos que não estão de acordo com a prática católica. Em particular, a prática de dar nome aos anjos e de lhes atribuir determinadas funções específicas. Só conhecemos o nome de três anjos: Gabriel, Rafael, Miguel. Portanto, não se deve falar de Uriel e outros. Não se deve comparar a ação dos anjos a algo parecido com a astrologia, determinando-se um mapa astral dos anjos ou outras práticas que beiram a superstição ou o esoterismo. Em particular, a Santa Sé diz (decreto de 1992 da Congregação para a doutrina da Fé) que as “teorias (da senhora Gabriele Bitterlich, fundadora da Obra dos Santos Anjos) acerca do mundo dos anjos, dos seus nomes pessoais, dos seus grupos e funções”, são “estranhas à Sagrada Escritura e à Tradição”, e que essas teorias “não podem servir como base para a espiritualidade e atividade de associações aprovadas pela Igreja.” A Igreja só admite os três nomes conhecidos na Sagrada Escritura – Gabriel, Rafael, Miguel – como afirmam os Capítulos de Carlos Magno e o Concílio Romano realizado sob o Papa Zacarias. Na Igreja de Santa Maria dos Anjos em Roma, nos conta Bento XIV, havia uma pintura com nomes de outros anjos. Foi mandado que esses nomes fossem apagados (Bento XIV, L. IV, Cap. XXX). Sigamos a doutrina tradicional da Igreja na devoção aos anjos e não revelações privadas proibidas ou duvidosas.

Devemos rezar a São Miguel Arcanjo e ao nosso anjo da guarda. A oração “Santo Anjo do Senhor”, para o anjo da guarda, não é uma oração para crianças, mas uma oração para todos, crianças e adultos, que deve ser feita diariamente, principalmente pela manhã e em momentos de necessidade, para que nosso anjo da guarda nos ajude.

Estamos em um grande combate. Combate pela glória do Deus altíssimo.  Combate pela vida eterna. Nós fazemos parte da Igreja Militante, caros católicos, e não simplesmente da Igreja peregrina. Devemos nos armar com as armas espirituais, para que possamos dizer ao fim de nossas vidas, como São Paulo, em uma das mais belas frases da Sagrada Escritura: “combati o bom combati, guardei a fé”. Que nós possamos combater o bom combate contra a carne, o mundo, o demônio, e possamos guardar a fé, e uma fé viva, animada pela caridade. “Tende confiança, nos diz Nosso senhor, eu venci o mundo.” (Jo XVI, 33). Ânimo, coragem. Para Deus, nada é impossível.

Recorramos sempre com grande confiança a São Miguel nesse combate, ele que é o Príncipe das milícias celestes, ele que porta o estandarte da Cruz. São Miguel Arcanjo, defendei-nos nesse combate, sede nossa guarda contra a maldade e ciladas do demônio. Instantemente e humildemente pedimos que Deus sobre ele impere; e vós, príncipe da milícia celeste, com o poder divino, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos, que vagueiam pelo mundo para a perdição das almas.

Em nome do pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] A Igreja e sua doutrina

Sermão para o 18º Domingo depois de Pentecostes

22.09.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para o 18º Domingo depois de Pentecostes A doutrina católica 22.09.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

Nosso Senhor, vindo ao mundo para nos salvar com sua caridade e misericórdia infinita, caros católicos, nos ensinou a verdade e nos instrui a amar a verdade, nos instruiu a aderir a ela e a colocá-la em prática. Nosso Senhor veio nos trazer a salvação. Todavia, sabendo que voltaria ao Pai, de onde veio, instituiu a Igreja, sua esposa imaculada, a fim de que a Igreja pudesse nos transmitir intactos seus ensinamentos, para que a Igreja prolongasse até o fim dos tempos os frutos da encarnação e da paixão de Nosso Senhor. A Igreja com sua doutrina é – como não poderia deixar de ser – fruto da misericórdia de Cristo.

 Algumas questões fundamentais, de grave importância foram suscitadas, agitadas, durante a semana com relação à Igreja e à sua doutrina. Convém muitíssimo deixar alguns pontos claros com relação à Igreja e à sua doutrina. Como diz São Paulo a Timóteo, é preciso pregar a palavra a tempo e fora de tempo, repreendendo, suplicando, admoestando, com toda paciência e doutrina. (II Tim. 4, 2)

Nosso Senhor fundou a Igreja, caros católicos. A Igreja, como nos diz o catecismo de São Pio X, é a sociedade de todas as pessoas batizadas que, vivendo na terra, professam a mesma fé e a mesma lei de Cristo, participam dos mesmos sacramentos, e obedecem aos legítimos pastores, principalmente ao Romano Pontífice. A Igreja não é algo vago, etéreo, nebuloso. A Igreja também não é simplesmente, sem mais nem menos, o povo de Deus. A definição da Igreja como simples povo de Deus resta imprecisa, e define melhor o povo judeu do que a Igreja fundada por Cristo. O que caracterizaria esse povo de Deus? Quais as especificidades desse povo? O que une esse povo? É preciso ter bem presente que a Igreja é uma sociedade. Ela é a sociedade de todas as pessoas batizadas que, vivendo na terra, professam a mesma fé e a mesma lei de Cristo, participam dos mesmos sacramentos, e obedecem aos legítimos pastores, principalmente ao Romano Pontífice. E a Igreja é uma sociedade perfeita, isso quer dizer que ela possui em si todos os meios para atingir o seu fim, que é a maior glória de Deus e a salvação das almas pela aplicação dos méritos infinitos obtidos por Cristo, pela transmissão do ensinamento de Cristo, pela celebração dos sacramentos, pela incitação ao amor a Deus e aos seus mandamentos. A Igreja é essa sociedade de que acabamos de falar, uma sociedade perfeita porque tem todos os meios para atingir seu fim, que é a glória de Deus e a salvação das almas. Claro, a Igreja é uma sociedade ao mesmo tempo divina e humana, portanto, ela é um mistério, mas isso não faz com que ela deixe de ser uma sociedade visível, externa, definida, para se tornar algo puramente espiritual, interno e impreciso, sem limites definidos, de forma que, no fundo, todo mundo faz parte dela. Não. A Igreja é visível, também externa, uma sociedade bem definida, da qual são membros os batizados que professam a fé católica, que partilham os mesmos sacramentos e que obedecem aos legítimos pastores.

A Igreja foi fundada por Cristo. Ela possui, portanto, uma constituição que lhe foi dada pela Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, por Deus Filho. A Igreja foi constituída por Deus como Igreja hierárquica. Nosso Senhor escolheu doze homens que Ele nomeou apóstolos (Marcos 3, 14-16), para que ficassem com Ele e pregassem (Atos 5, 17). E Nosso Senhor deu aos doze a missão de continuar a obra da redenção. Nosso Senhor diz aos apóstolos: “Assim como o Pai me enviou também eu vos envio” (Jo 20, 21). Deus enviou Nosso Senhor para governar, ensinar e santificar. São justamente os três poderes que possuem os Apóstolos e seus sucessores, os Bispos: governar, ensinar, santificar. Portanto, Nosso Senhor escolheu doze e conferiu a esses doze poderes particulares: governar, ensinar, santificar. Nosso Senhor constituiu uma hierarquia. A Igreja, por instituição divina é hierárquica. Mas essa não é uma hierarquia colegial, é, antes, uma monarquia. A Igreja é uma monarquia, pois Cristo deu a um dos Apóstolos, São Pedro e aos sucessores de São Pedro, o poder pleno e supremo de jurisdição e um poder supremo, pleno, ordinário e imediato sobre todas e cada uma das Igrejas particulares e sobre todos e cada um dos pastores e fiéis (Conc. Vat. I, Denz. 3064). Nosso Senhor disse a São Pedro: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. Eu te darei as chaves do reino dos céus. Tudo o que ligares na terra será ligado no céu. Tudo o que desligardes na terra será desligado no céu” (Mt 16, 18). Depois, Nosso Senhor dirá a São Pedro duas vezes: “apascenta os meus cordeiros” (Jo 21, 15-17). E uma vez: “apascenta minhas ovelhas” (Ibidem). Os cordeiros são só fiéis, as ovelhas são os Bispos e Padres. São Pedro, o Papa, deve apascentar todos, deve governar, instruir e santificar a todos. O que foi divinamente instituído ninguém pode mudar. E Nosso Senhor assistirá a sua Igreja para que ela permaneça até o fim dos tempos como ele a instituiu, pois Ele disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra ela e que Ele estaria com a Igreja até a consumação dos séculos. A natureza da Igreja é, então, a de uma sociedade hierárquica e monárquica. Nós sabemos que o bem de cada coisa é agir conforme a sua natureza. Portanto, o bem da Igreja e consequentemente dos fiéis e de todos os homens se verifica quando os membros da Igreja agem conforme a sua natureza, respeitando a instituição divina. Não se trata, em nenhuma hipótese de uma tirania – como é claro -, pois o tirano governa para o seu próprio bem ou para o bem de um grupo. O Papa deve governar para o bem dos fiéis, para que os fiéis alcancem com maior facilidade a salvação. O Papa, sendo o soberano chefe da Igreja, é, ao mesmo tempo e pelo próprio fato de ser o chefe supremo, o servo dos servos. Sua função é servir a todos, promulgando leis que nos levem a Deus, ensinando com clareza e fidelidade a doutrina de Cristo, assegurando a boa administração dos sacramentos. Agindo assim, ele espalhará a misericórdia divina sobre a terra e levará as almas para Deus. Aquilo que muitos desejam, de ver o Papa praticamente como mais um entre os bispos, de ver a democracia instalada na Igreja é um grande prejuízo para a Igreja, para as almas. Agir desse modo é um grande prejuízo para a Igreja e para os homens, é falta de fidelidade a Cristo. O bem de uma coisa é agir em conformidade com sua natureza e a natureza da Igreja é hierárquica, monárquica. Isso não significa que o Papa deva governar sozinho. Não, ele pode e deve pedir conselho, ele pode e deve ser auxiliado no governo da Igreja, mas jamais deve se igualar aos outros bispos.

Como vimos, a Igreja tem como finalidade última a glória de Deus e a salvação das almas. Para atingir esse fim, a hierarquia recebeu de Cristo, como vimos, o poder de ensinar. Esse poder de ensinar consiste em transmitir, guardar, declarar, defender, explicar aquilo que Nosso Senhor ensinou. Aquilo que Nosso Senhor ensinou não pode mudar. Ele manda que os apóstolos ensinam aquilo que ouviram e aprenderam (Mt 28, 20; 10, 27) A Revelação feita por Cristo, se encerrou com a morte do último Apóstolo, São João, no início do século II. O Espírito Santo, como diz Nosso Senhor, ensinou aos apóstolos toda as coisas e lembra a eles o que Cristo ensinou (Jo 14, 26). Não há, portanto, mais nada para ser revelado. Tudo o que a Igreja ensina deve necessariamente estar contido no ensinamento dos Apóstolos. A Igreja não pode, então, mudar aquilo que Cristo e o Espírito Santo ensinaram, a Igreja não pode mudar as verdades reveladas, a Igreja não pode inventar novas verdades reveladas, nem dizer que uma verdade deixou de ser revelada. A Igreja não pode mudar a interpretação dada a uma verdade revelada. A Igreja deve sempre interpretar a verdade revelada no mesmo sentido, com o mesmo entendimento, ainda que mais profundo. Por exemplo, a Igreja sempre afirmou que a presença de Cristo na Missa, após a consagração, é uma presença real, substancial, em corpo, sangue, alma e divindade. A Igreja não pode dizer hoje ou amanhã que a presença de Cristo na Missa existe, mas que é uma presença simbólica, uma presença só para os que creem, etc. A Igreja pode aprofundar-se no entendimento de uma verdade revelada, mas nunca mudando o sentido ou interpretação dessa verdade. Dessa forma, a Revelação (aqui se incluem as verdades de fé e também a moral) não pode ser mudada para se adaptar aos tempos modernos – nem aos antigos, nem a qualquer outro tempo – para se adaptar à mentalidade do homem contemporâneo. As verdades a serem cridas e praticadas não vêm do povo, dos fiéis, mas de Cristo e da hierarquia. A Revelação – a doutrina da Igreja e sua moral – não deve ser lida à luz da modernidade, a fim se adaptar a essa modernidade. É a modernidade que deve ser lida à luz da Revelação, a fim de saber o que pode ser aproveitado da modernidade para o nosso bem. A Igreja tem o dever de se manter fidelíssima ao depósito da Revelação que ela recebeu de Cristo e ela é fidelíssima e será fidelíssima. A Igreja guarda intactas e puras as verdades que recebeu de seu Divino Mestre. Mais uma vez, não é a Revelação que se adapta ao homem e aos seus gostos e caprichos – isso seria divinizar o homem, colocá-lo acima de Deus – mas é o homem que deve ser conformar inteiramente à Revelação. Portanto, a doutrina da fé e da moral da Igreja não pode mudar, não pode evoluir.

Assim sendo, a Igreja não pode evoluir quanto ao aborto, quanto ao homossexualismo, quanto à contracepção, quanto à comunhão dos divorciados recasados, quer dizer, quanto à comunhão daqueles que se casaram na igreja, se separam e depois se juntaram com outra pessoa. A Igreja não pode mudar quanto a isso, pela própria natureza das coisas. E a Igreja deve insistir nesses pontos porque são pontos de suma importância para o indivíduo, mas, sobretudo, para a sociedade. O aborto e o homossexualismo são dois pecados que clamam aos céus por vingança justamente porque são pecados que corroem os fundamentos da sociedade, causam um mal incomensurável à sociedade. O primeiro, porque é suma injustiça, é o assassinato de um inocente indefeso, assassinado por aqueles que mais deveriam protegê-lo e amá-lo. O segundo, porque destrói inteiramente a base da sociedade, que é a família, formada para a propagação do gênero humano e para povoar o céu. É óbvio que a pregação da Igreja não pode nem deve se reduzir a isso. Mas é preciso insistir nesses pontos, sem esquecer os outros principais, a existência de Deus, a Trindade de Deus, a Encarnação de Deus Filho, sua morte por nós na cruz, sua caridade, bondade e misericórdia para conosco. Se os homens da Igreja insistissem um pouco mais sobre esses assuntos, talvez a sociedade não estivesse nesse estado, tão afastada de Deus. Se os homens da Igreja passarem a falar pouco desses assuntos, em pouco tempo os católicos cederão quase completamente em todos esses pontos, como já cederam quase completamente em alguns, como é o caso da contracepção, por exemplo. É preciso falar com frequência sobre esses assuntos, sem reduzir o catolicismo a eles, como é evidente. Todos esses pecados – contracepção, aborto, prática homossexual, divórcio – são pecados graves. Aquele que morrer neles, consciente da gravidade deles – e mesmo um pagão consegue ver com certa facilidade a gravidade deles, excetuando talvez a contracepção – será condenado. É a Igreja que os condena? Não. Eles mesmos se condenam. A Igreja prolonga nesse mundo a missão de Cristo em sua primeira vinda. Cristo veio condenar? Não. O evangelho de São João nos diz (Jo 3, 17 – 21): “Deus não enviou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele. Quem n’Ele crê não será condenado, mas quem não crê, já está condenado, porque não crê no nome do Filho unigênito de Deus. E a condenação está nisto: a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não se aproxima da luz, a fim de que não sejam condenadas as suas obras.” Não é a Igreja que condena. É a própria pessoa que se condena e se prepara para ser julgada como tal por Cristo quando da sua segunda vinda, em que Ele virá glorioso – aí, sim – para julgar os vivos e os mortos. O dever da Igreja e dos homens da Igreja é alertar as pessoas, com caridade: você está se condenando, abandone as trevas, venha para a luz, venha para Deus e sua Igreja. A Igreja deve dizer ao pecador: Nosso Senhor morreu por sua alma, para salvar a sua alma, abandone o pecado e prove e veja quão suave é o Senhor (Salmo 33, 9). A misericórdia da Igreja é tirar o homem de sua miséria. Qual é a maior miséria? O pecado. Para tirar o homem do pecado, ela tem que dizer que o pecado existe e que ele conduz à condenação. A Igreja tem que dizer que pelo pecado grave a pessoa perde o céu e merece o inferno. Quantas almas encontraram e encontram assim a misericórdia divina. Além disso, é obra de misericórdia espiritual ensinar aos ignorantes e corrigir os que erram, oportunamente. Como diz São Pio X, na carta Apostólica Notre Charge Apostolique: “a doutrina católica nos ensina que o primeiro dever da caridade não está na tolerância das convicções errôneas, por sinceras que sejam, nem da indiferença teórica e prática pelo erro ou o vício, em que vemos mergulhados nossos irmãos, mas no zelo pela sua restauração intelectual e moral, não menos que por seu bem-estar material.” A Igreja deve formar a consciência dos homens, é da Igreja que depende a vida espiritual dos homens. Não basta seguir a própria consciência para se salvar, é preciso seguir uma consciência bem formada, que busque realmente a verdade e que a ame. Muitos seguem sua consciência, mas uma consciência cupavelmente mal formada e relaxada, em que se escolhe não se aproximar da luz para não ter que mudar de vida. A Igreja deve formar as consciências. É grande obra de misericórdia ensinar aos ignorantes e corrigir os que estão no erro, de modo oportuno.

A Igreja e seus membros devem trabalhar incessantemente para restaurar tudo em Cristo. A restauração de tudo em Cristo era o que movia São Paulo, como ele disse aos Efésios (1, 10). Restaurar tudo em Cristo era o que movia São Pio X. Restaurar tudo em Cristo é o que deve mover todo católico. Restaurar tudo em Cristo é direcionar tudo a Cristo, fazer tudo por Ele, e com Ele, e n’Ele. Mas, como diz São Pio X, restaurar tudo em Cristo não é simplesmente levar as almas para Deus, mas restaurar a civilização cristã em cada um dos elementos que a compõem (Enc. Il fermo proposito). E isso não é um restauracionismo ideológico, mas um restauracionismo indispensável para todo católico. Mas como fazê-lo? São Pio X indica, na sua Encíclica E Supremi Apostolatus, quatro meios principais, entre outros, para restaurar tudo em Cristo: 1) a boa formação do clero, 2) o ensino da doutrina católica (não é por acaso se São Pio X promulgou o catecismo que leva o seu nome), 3) o fervor da vida cristã, e 4) a caridade cristã, que não é um zelo amargo que mais afasta as almas do que as atrai, mas que é uma verdadeira bondade, que não se confunde tampouco com tolerância do erro ou do pecado. Nesses últimos tempos, nós vemos a disciplina avançando, a liturgia avançando, os ensinamentos avançando e tendendo a se conformar à mentalidade moderna. Ao mesmo tempo em que tudo isso avança, nós vemos a prática real da religião recuando, o número de fiéis caindo, etc. É preciso constatar que esses avanços não têm contribuído para o avanço do Evangelho. Uma pessoa que vai avançando em alto mar e que começa a se afogar deve voltar para a praia ou continuar avançado em alto mar? Dou um exemplo prático na vida da Igreja: a lei da abstinência da sexta-feira. No direito canônico atual, a abstinência de carne pode ser substituída por outra penitência ou por uma obra de caridade. O resultado é que ninguém faz praticamente mais nada na sexta-feira. A penitência, tão necessária à vida cristã, é negligenciada e o resultado são as paixões desordenadas. Não seria o caso de se restabelecer a antiga disciplina, com uma lei clara que pede a abstinência de carne nas sextas-feiras? Algumas conferências episcopais já fizeram isso. Outro exemplo é a recepção da comunhão na mão. Essa prática não tem prejudicado tanto a fé das pessoas na presença real de Cristo na hóstia consagrada? Não seria o caso de se restabelecer uma liturgia e prática provadas por séculos e séculos e centradas completamente em Deus? Não seria o caso de se retornar à teologia baseada nos fundamentos sólidos estabelecidos por São Tomás de Aquino, capaz de responder às exigências de qualquer época? Não seria o caso de se retomar uma pastoral centrada no bem das almas e menos burocrática ou social? Tudo isso aqui é essencial. Não se trata aqui de voltar a um passado por simples gosto romântico do passado ou por ideologia, quer dizer, por uma vontade desconectada da realidade. Os que fazem isso são aqueles que querem restaurar uma suposta liturgia primitiva, que querem restaurar uma suposta caridade primitiva, que querem restaurar uma suposta colegialidade da Igreja dos primeiros séculos, que querem restaurar a disciplina primitiva do não celibato dos padres na igreja latina, etc… Isso seria uma restauração ideológica, uma volta ideológica ao passado. Nós estamos falando aqui de uma restauração que possa nos centrar e centrar a sociedade em Cristo hoje e sempre, com a liturgia tradicional que favorece imensamente a isso, com uma disciplina que nos faz esquecermos de nós mesmos e que nos dirige para Deus, uma disciplina que nos auxilia e facilita a prática do bem, uma disciplina que não é um fim em si, mas um auxílio importante…  Não se trata, nem é possível, como diz São Pio X (Il fermo proposito), de restaurar todas as instituições que se mostraram úteis e eficazes no passado. A Igreja sabe se adaptar facilmente ao que é contingente e acidental sem prejudicar a integridade ou a imutabilidade da fé, da moral e sem prejudicar seus direitos sagrados. Todavia, muitos desses avanços prejudicaram de alguma forma, infelizmente, a fé e a moral, em vez de favorecê-los. A liturgia tradicional, uma disciplina mais tradicional, uma catequese e uma pastoral mais tradicionais não são uma relíquia do passado. São coisas que permanecem sempre jovens, pois fundadas na palavra de Deus, que não passa e não envelhece.

Restaurar tudo em Cristo, caros católicos. Esse deve ser o nosso programa de vida. A começar pela nossa alma, mas sem esquecer nosso próximo, sem esquecer a sociedade. Restaurar tudo em Cristo pelo ensino da religião, da doutrina católica. A primeira e maior obrigação dos pastores, diz o Concílio de Trento, é a de ensinar o povo cristão. E São Paulo diz o mesmo a Timóteo (I Tim. 5, 17): “os presbíteros que governam bem, sejam considerados dignos de estipêndio dobrado, principalmente os que trabalham em pregar e ensinar.” A conversão, o amor a Deus, a misericórdia, só podem vir com a fé. E a fé, como diz São Paulo, vem pelos ouvidos. É preciso que alguém ensine, com segurança e sem ceder às novidades, como diz São Paulo (I Tim. 6, 20). Só se ama aquilo que se conhece. Só amará a Deus quem o conhecer. Se o ensino é bem feito e seguro, isto é, baseado na Revelação e não em conjecturas, e feito com a intenção de trazer as almas para Deus, o resto seguirá como consequência. Façamos nossa parte, caros, católicos, para restaurar tudo em Deus… isso é grande obra de misericórdia.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] Nossa Senhora das Dores, a corredentora

Sermão para o 17º Domingo depois de Pentecostes – Festa de Nossa Senhora das Dores

15.09.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para a Festa de Nossa Senhora das Dores Corredentora – 17º Domingo depois de Pentecostes 15.09.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

O Livro do Apocalipse nos diz que “apareceu no céu um grande sinal: Uma mulher vestida de sol, e a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça; e, estando grávida, clamava com dores de parto, e sofria tormentos para dar à luz.” Nós já vimos, na Solenidade da Assunção, que essa mulher representa, principalmente, Nossa Senhora, já vimos o que significa ela estar vestida de sol, com a lua debaixo de seus pés e coroada de doze estrelas. Mas vemos também que ela está grávida e sofre com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz. Ora, sabemos que as dores do parto são consequência do pecado original, são uma pena pelo pecado original. Todavia, sabemos também que Nossa Senhora foi concebida sem o pecado original e sabemos que Nosso Senhor foi concebido no seio de Maria por obra do Espírito Santo. A partir disso, somos obrigados a concluir que Nossa Senhora não sofreu as dores do parto ao dar à luz o Menino Jesus. Mas o texto do Apocalipse é claro. A Mulher está grávida e sofre com as dores do parto e sofre tormentos para dar à luz. Que filho é esse, então, e que dores são essas, caros católicos? Esse filho de que nossa senhora está grávida somos nós, prezados católicos, somos nós, seus filhos na ordem da graça. Se Nossa Senhora deu à luz o Menino Deus sem dor, ela nos gera para a vida da graça em meio às maiores dores e sofrimentos. Se ela deu à luz a Cabeça, que é Cristo, sem dor, nós, os membros do corpo místico de Cristo, somos gerados com dor. Somos gerados pela dor de Cristo, pelos seus sofrimentos nesse mundo, e somos gerados pelas dores de Nossa Senhora, dores que acompanham o seu Filho, dores que ela aceitou e ofereceu para a nossa salvação. Nossa Senhora, ao dizer o “fiat” ao Anjo Gabriel, ao aceitar a Encarnação do Verbo, ao se submeter inteiramente à vontade de Deus, aceitou também todos os sofrimentos ligados ao seu papel de Mãe do Redentor. Ela aceitou cooperar na nossa redenção pelas suas dores, oferecendo seu filho. Nossa Senhora é verdadeiramente corredentora nossa. Claro que seu papel na redenção não é paralelo e independente de Cristo. Ao contrário, a participação de Nossa Senhora na nossa redenção é subordinada, dependente de Cristo e secundária. Nada falta na redenção feita por Cristo, que é verdadeiramente homem e Deus. Não obstante, Ele quis associar de modo particular Nossa Senhora na obra da redenção.

Um dos princípios que nos guiam quando falamos de Maria Santíssima é a antítese ou a contraposição com relação à Eva e ao papel de Eva no pecado original. No pecado original, Eva coopera com o pecado de Adão, mas o pecado original é só de Adão, pois só ele é realmente a origem do gênero humano. Se só Eva tivesse pecado, seria um pecado pessoal, não haveria o pecado original que herdamos todos e que nos faz nascer sem a graça santificante, sem a amizade com Deus. Eva coopera formalmente no pecado de Adão, mas o pecado é de Adão. Se invertermos, então, as coisas, temos que Nossa Senhora coopera na obra da redenção, feita por Cristo, o novo Adão. Se Cristo não tivesse sofrido e morrido na Cruz, Nossa Senhora nada poderia fazer. Toda a redenção vem de Cristo, Nossa Senhora é redimida e se ela coopera na obra da redenção é em virtude das graças obtidas por Cristo. Mas Cristo quis que Nossa Senhora cooperasse, de forma dependente, subordinada e secundária, na obra da nossa redenção, de nossa salvação. Nossa Senhora é realmente nossa corredentora, sem que isso tire em nada a glória de seu Filho e o valor infinito de sua encarnação e morte. Se Nossa Senhora é corredentora, isso é já um fruto da redenção.

Nossa Senhora oferece à Santíssima Trindade todas as suas dores – principalmente desde o momento da Encarnação – para a nossa redenção. Nossa Senhora, sendo Mãe do Redentor, o acompanha em todos os seus sofrimentos e penas durante toda a sua vida e principalmente em sua paixão e morte. Inúmeras são as dores e os sofrimentos de Nossa Senhora para nos gerar para a graça. São inúmeras as dores de Nossa Senhora durante toda a sua vida. A Igreja e o povo devoto escolheram principalmente sete dores de Nossa Senhora, dores que resumem todas as outras. A primeira delas é a profecia de Simeão, profecia de que uma espada transpassaria o coração de Nossa Senhora. Por essa dor, podemos pedir a Deus que imprima em nossas almas a Paixão de Cristo e as dores de Nossa Senhora, para que tenhamos sempre presente o quanto vale a nossa alma e o quanto custa o pecado, e podermos assim emendar a nossa alma. A segunda dor é a fuga para o Egito. Por essa dor, podemos pedir à Virgem Dolorosa a graça de sofrer com paciência até a morte todas as provações dessa vida. A terceira dor é a perda do Menino Jesus em Jerusalém durante três dias. Por essa dor, podemos pedir a graça de nunca perdermos Deus e a graça de morrermos unidos a Ele. A quarta dor é o encontro da Santíssima Virgem com seu Filho no caminho da Cruz. Por essa dor, podemos pedir a graça da conformidade com a vontade de Deus em todas as coisas e a graça de carregar a nossa cruz com alegria até nosso último suspiro. A quinta dor é a crucificação de Nosso Senhor. Por essa dor, podemos pedir a graça de viver e morrer crucificados para tudo o que é mundano. A sexta dor é a descida da Cruz, é Nossa Senhora que tem em seus braços seu Filho morto e desfigurado. Por essa dor, podemos pedir a graça do arrependimento e do perdão de nossos pecados. A sétima dor é o sepultamento de Cristo. E por essa dor, devemos pedir a graça da perseverança final.

São inúmeras as dores de Nossa Senhora e ainda maior é a qualidade e a intensidade dessas dores. Quanto maior é o amor, maior é a dor, ao ver o bem amado sofrer. O amor de Nossa Senhora por seu Divino Filho não pode ser calculado. Podemos, então, imaginar a sua dor diante do desprezo dos homens pelo Salvador, diante da crueldade, diante do deicídio. Nossa Senhora sofria enquanto Mãe de Cristo, mas também enquanto nossa Mãe, vendo tantos de seus filhos ofendendo a Deus. A Virgem Dolorosa sofreu mais do que todos os mártires juntos e deveria ter morrido de tanta dor, se Deus não a tivesse conservado em meio a tantos e tão grandes sofrimentos para que ela participasse da nossa redenção. Nossa Senhora, unida a Cristo, aceitou as dores e ofereceu as dores à Santíssima Trindade para nos salvar.

Todavia, quão esquecidas são as dores de Nossa senhora, caros católicos. A Virgem Santíssima, Santo Afonso nos diz (Glórias de Maria, 367), queixou-se à Santa Brígida de que muito poucos são os que dela se compadecem e que a maior parte dos homens vive esquecida de suas aflições. Em seguida, a Virgem recomendou à Santa que guardasse continuamente a memória dessas dores. Consideremos, pois, com frequência as dores de Nossa Senhora, caros católicos, e nelas encontraremos grandes consolos e grandes graças. Grandes consolos porque veremos que não há dor em nossa vida que supere as dores de Nossa Senhora. E uma Mãe que sofreu tanto se compadece ainda mais de seus filhos em seus sofrimentos. As dores de Nossa Senhora nos ensinam que aquele que semeia nas lágrimas, colhe na exultação, na alegria, como diz o Salmo (125). Nas aflições, nas provações, nas cruzes, olhemos para as dores de Nossa Senhora. Ela sofreu mais, e pode e quer nos consolar. Ela semeou nas lágrimas e colheu na alegria eterna. Olhemos para Nossa Senhora e seu coração transpassado pelas sete espadas. Encontraremos na Virgem Dolorosa a doçura necessária para suportar as nossas dores. No pecado, olhemos para as dores de Nossa Senhora e para a paixão de Cristo, e encontraremos graças abundantes de conversão. Olhemos para a Virgem Dolorosa e tenhamos uma grande gratidão por tudo aquilo que sofreu por nós em união com seu Divino Filho. Olhemos para Maria e vejamos do que é capaz uma Mãe que ama seus filhos.

Grandes graças, nos diz o mesmo Santo Afonso, estão reservadas aos devotos das dores de Nossa Senhora. O Santo relata a seguinte revelação feita a S. Isabel a esse respeito: “São João Evangelista, depois da Assunção da Senhora, muito desejava revê-la. Obteve, com efeito, essa graça e sua Mãe querida apareceu-lhe em companhia de Jesus Cristo. Ouviu em seguida Maria pedir ao Filho algumas graças especiais para os devotos de suas dores, e (ouviu) Jesus prometer quatro principais graças. Ei-las: 1º) esses devotos terão a graça de fazer verdadeira penitência por todos os seus pecados, antes da morte; 2º) Jesus guardá-los-á em todas as tribulações em que se acharem, especialmente na hora da morte; 3º) Ele lhes imprimirá no coração a memória de sua Paixão, dando-lhes depois um prêmio especial no céu; 4º) por fim, os deixará nas mãos de sua Mãe para que deles disponha a seu agrado, e lhes obtenha todos e quaisquer favores.” (Santo Afonso Maria de Ligório, Glórias de Maria, p. 368). Segundo esse relato, a devoção às Dores de Nossa Senhora é de origem apostólica. Mas nem precisávamos desse relato para saber disso. Basta considerar os Evangelhos, sobretudo o de São João, que nos diz que Nossa Senhora estava lá de pé, diante de Deus, de pé para mostrar seu consentimento, sua adesão total à obra da redenção, para mostrar a ausência de desespero, para mostrar a serenidade no meio das maiores dores. É evidente que os primeiros cristãos não podiam deixar de considerar as dores de Nossa Senhora.

Assim, prezados católicos, dada a excelência particular dessa devoção a Nossa Senhora das Dores, dado que ela tanto agrada a Nosso Senhor e a Nossa senhora, dado que ela manifesta o fato de que Nossa Senhora é corredentora, dado que essa devoção consola o Coração de Maria, dado que ela nos obtém grandes graças, recomendo a todos uma grande devoção às dores de Nossa Senhora. E levando tudo isso em consideração, depois da novena preparatória que fizemos, peço a cada um que se consagre a Nossa Senhora das Dores, com verdadeira intenção de emendar-se, de viver uma vida santa. É o que faremos recitando juntos o ato de consagração a Nossa Senhora das Dores. E consagrando-nos, consagraremos também esse nosso singelo apostolado, para que plantando nas lágrimas possamos colher na exultação. Porque, vejam, o fruto das dores de Nossa Senhora e da devoção à Virgem Dolorosa é a alegria. Por isso, o Papa Pio VII coloca a alegria como última invocação da Ladainha de Nossa Senhora das Dores. Nossa Senhora das Dores é a alegria de todos os santos, porque nos traz a salvação pelo seu Filho, porque unida a Ele nos redime, porque nos consola nas angústias e sofrimentos. Coloquemos, então, esse nosso apostolado nas mãos de Nossa Senhora das Dores, para que cada um de nós e para que os que vierem depois de nós possam colher na alegria da vida eterna.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

[Sermão] A Cruz: altar, cátedra e trono de Cristo

Sermão para a Festa da Exaltação da Santa Cruz

14.09.2013 – Padre Daniel Pinheiro

ÁUDIO: Sermão para a Festa da Exaltação da Santa Cruz 14.09.2013

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

Hoje festejamos a Exaltação da Santa Cruz e também a entrada em vigor do Motu Proprio Summorum Pontificum (07/07/2007), de Bento XVI, documento que dá maior liberdade para a Liturgia Tradicional. Devemos manifestar nossa gratidão ao Papa por esse documento, pois convém reconhecer quando o bem é feito, ainda quando esse bem realizado é uma questão de justiça. Em todo caso, o documento vai na boa direção. Nele, o Papa afirma, com um argumento de fundo teológico, que a liturgia Tradicional não foi jamais ab-rogada: “Aquilo que para as gerações anteriores era sagrado, permanece sagrado e grande também para nós, e não pode ser de improviso totalmente proibido ou mesmo prejudicial. Faz-nos bem a todos conservar as riquezas que foram crescendo na fé e na oração da Igreja, dando-lhes o justo lugar.” No documento de aplicação do Motu Proprio, a Instrução Universae Ecclesiae, temos o objetivo primeiro dessa liberdade reconhecida para a Missa Tradicional: “oferecer a todos os fiéis a Liturgia Romana segundo o Usus Antiquior, considerada como um tesouro precioso a ser conservado.” Portanto, o objetivo é que a Liturgia Tradicional, tesouro precioso, seja oferecida a todos os fiéis. E não é sem razão que a entrada em vigor desse documento coincide com a Exaltação da Santa Cruz, já que pela Missa Tradicional o sacrifício do calvário se renova de maneira sublime, aplicando abundantemente as graças obtidas por Cristo na Cruz. Tal aplicação sublime exalta a Cruz de Cristo.

“Nós, porém, devemos nos gloriar na Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.”

A Festa de hoje nos lembra do fato histórico ocorrido em 628, ano em que o Imperador Heráclio conseguiu tomar de volta a Cruz de Cristo, que havia sido levada de Jerusalém pelos Persas, que a profanaram enormemente. Tendo recuperado a Santa Cruz, Heráclio quis entrar em Jerusalém carregando ele mesmo o Santo Lenho em ação de graças pela vitória. Todavia, vestido com todas as insígnias imperiais, não pôde entrar em Jerusalém, detido por uma força invisível. O Patriarca de Jerusalém assinalou ao Imperador que não convinha carregar com tanto aparato a Cruz que Nosso Senhor carregou com tanta humildade. Despojado de todo o aparato imperial, Heráclio conseguiu entrar em Jerusalém carregando a Cruz.

A Festa de hoje é a exaltação do instrumento de nossa salvação, que é a Cruz. A Festa de hoje nos recorda que é pela morte de NS, pela morte de Cruz de NS, que nós somos salvos. É pela Cruz que nos vem a vida e a ressurreição. A única coisa que importa nesse mundo é a Cruz, é a nossa salvação, caros católicos.

A cruz era antigamente um sinal de opróbrio, de maldição, de horror. Maldito o homem que pende da cruz, dizia a Sagrada Escritura. A Cruz era o suplício reservado aos maiores criminosos e aos escravos. Depois, porém, que NS morreu sobre ela, tornou-se sinal de glória, de bênção, de amor. Essa mudança se fez porque Cristo, morrendo sobre ela, a consagrou. Ele fez da Cruz o altar em que se imola, a cátedra de onde nos instrui, e o trono de onde reina sobre o mundo.

Ele fez dela seu altar. Depois do pecado original, o homem já não podia encontrar a salvação. Como reparar pelo pecado, que ofendeu infinitamente a majestade divina? Seria impossível. O homem poderia oferecer todos os sacrifícios, até a própria vida, e não conseguiria obter perdão, não conseguiria satisfazer pelo seu pecado. Para satisfazer plenamente por nossos pecados, o Verbo se Encarnou. Mas não se contentou somente em vir ao mundo, o que já era suficiente. Sendo Cristo homem e Deus, suas ações têm um valor infinito. A menor das ações de Cristo já seria suficiente para satisfazer por todos os pecados do mundo inteiro. Mas o Filho de Deus veio ao mundo para morrer na Cruz. Para morrer na Cruz, a fim de satisfazer pelos nossos pecados e para mostrar o tamanho de seu amor por nós. Ele amou os homens até a morte e morte de Cruz. É na Cruz que Cristo se imola e que oferece seu sacrifício para a nossa redenção. É do altar da Cruz que nos vem todo o bem: o perdão de nossos pecados e todas as graças, que nos são aplicadas pela Santa Missa, renovação do sacrifício da Cruz.

A Cruz é também a cátedra de onde NS nos instrui. Santo Agostinho a chama Cátedra do Mestre que ensina (cathedra magistri docentis). Na Cruz, NS nos ensina a santidade. Ali, elevado, NS nos mostra o que realmente tem valor nesse mundo: fazer em todas as coisas a vontade de Deus. Ali, elevado no madeiro, NS nos ensina todas as virtudes: a conformidade com a vontade de Deus, a fortaleza, a paciência, a mortificação, a caridade, enfim, todas as virtudes.  No madeiro, flagelado e coroado de espinhos, NS nos ensina as consequências do pecado, Ele nos ensina a gravidade de nossos pecados. Consideremos, caros católicos, em que estado nossos pecados deixam o Verbo Encarnado. Na Cruz, Ele nos ensina que podemos obter misericórdia, com o exemplo do bom ladrão. Mas nos ensina também que podemos, infelizmente, recusar a graça, como o mau ladrão. Ali, Ele nos ensina o valor da graça e da nossa alma, pois para nos alcançar a graça e alcançar a redenção de nossa alma, NS, homem e Deus, pagou o preço de seu sangue derramado na Cruz. Da Cruz, Nosso Salvador nos ensina que, para alcançar o céu, é preciso segui-lo, carregando com a ajuda d’Ele as nossas cruzes, suportando-as com paciência e, mais do que isso, abraçando-as com amor.

A Cruz de Cristo é o trono de onde Ele reina. Ele reina, tendo agradado infinitamente à Santíssima Trindade com seu sacrifício na Cruz. Ele reina sobre nós, tendo nos redimido e resgatado com seu sangue. Ele reina sobre a morte e o inferno, tendo ressuscitado em virtude de sua morte na Cruz. Ele reina sobre todas as criaturas, e diante dEle, todo joelho deve se dobrar no céu, na terra e no inferno. Pela Cruz, Cristo foi anunciado, conhecido, adorado amado por toda a terra. O Senhor reinou a partir do madeiro.

Não sem razão – dizia eu antes de começar o sermão – o documento papal reconhecendo a liberdade da Missa Tradicional entrou em vigor no dia 14 de setembro, dia da Exaltação da Santa Cruz. Não sem razão porque a Missa Tradicional expressa perfeitamente esses três aspectos da cruz de Cristo: o altar, a cátedra, o trono. Ela exprime o altar porque na liturgia Tradicional é claríssimo que o que está ocorrendo sobre o altar é o sacrifício da Cruz renovado de forma incruenta, sem sangue, e que ele se realiza em particular para o perdão dos nossos pecados. Ela exprime perfeitamente a cátedra, nos ensinando todas as virtudes, nos ensinando com toda segurança a doutrina católica, sobretudo quanto à presença real de Cristo em corpo, alma, sangue e divindade depois da consagração. Ela exprime perfeitamente o trono de Cristo, pois aqui, tudo, absolutamente tudo está orientado para NSJC e submetido a Ele, sem espaço para que nós nos tornemos o centro da Missa.

Quanto a Cruz de Cristo deve ser exaltada, caros católicos, Cruz de onde pendeu a nossa Salvação! Mas quantos, infelizmente, são os inimigos da Cruz de Cristo. Quantos querem tirar de nossa sociedade a Cruz de Cristo. Quantos querem tirá-la dos locais públicos, dos tribunais, dos hospitais, das escolas. Quantos querem tirar de nossa sociedade a salvação trazida por Cristo. Quantos de nós, por nossos pecados, renegamos a Cruz de Cristo e a salvação que ela nos traz. Mas a Cruz de Cristo permanecerá como o único meio de salvação. Dum volvitur orbis, stat Crux. Enquanto o mundo gira e muda, a Cruz permanece. Desde o início do mundo até o final dos tempos, é Cristo crucificado que pode nos salvar. Não há ressurreição, não há vida eterna sem a Cruz, sem a Cruz de Cristo e sem as nossas cruzes carregadas no quotidiano em união com Cristo. Digamos e façamos como São Paulo: gloriemo-nos somente na Cruz de Cristo. Dizia o Santo Apóstolo: longe de mim o gloriar-me, a não ser o gloriar-me da Cruz de Cristo.

E Essa Cruz de Cristo está aqui diante de nós, sobre o altar. Mas é no momento da consagração que essa Cruz se fará presente, se renovará. Unamo-nos à Cruz de Cristo, unamo-nos a Cristo na Santa Missa, para nos oferecermos inteiramente a Ele, com tudo o que somos e temos.

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.