Após protestos de católicos “tradicionalistas” Canção Nova derruba petista e cia

No último dia 11 foi noticiado no sitio católico www.fratresinunum.com e o “Missa Tridentina em Brasília” não podia deixar de se unir a mais este importantíssimo protesto, que a rede “Canção Nova”, no intuito de “atender (ou agradar!) a todos os públicos” havia dado a um deputado petista, gayzista e perseguidor da Igreja, Edinho Silva, do PT-SP, um quadro em sua nova programação, e o protesto correu o mundo e surtiu o efeito desejado, a “derrubada” do neo-apresentador, entre outros…

O que mais indignou os católicos que reagiram a tal escândo, é que o dito Deputado além de petista, foi, nada mais nada menos, o responsável pela “apreensão de folhetos do Regional Sul 1 da CNBB em uma gráfica de São Paulo“, por ocasião da campanha eleitral de 2010, cujo objetivo da publicação era mostrar aos eleitores tudo o que o PT já fez para tentar legalizar o aborto no nosso país, e assim, mostrar aos mesmos eleitores o gravíssimo erro que seria votar num candidato petista, no caso, a então candidata à presidência Dilma e demais candidatos do mesmo partido.
Dois pontos, no entanto, continuam sob mistério. 1º – A Canção Nova não disse os motivos reais de ter retirado o novo quadro do ar, se teria sido motivada pelos protestos, e por conseguinte, pela celêuma por ele causada, ou se por ordem de alguma autoridade eclesiástica, como o Núncio Apostólico, Dom Lorenzo Baldisseri, se pela CNBB, o que é muito improvável, uma vez que esta é, talvez, a mais petista dentre as associações… ou mesmo se por alguma intervenção direta do Vaticano, o que seria muito louvável para nossos tristes dias. 2º – A “derrubada” dos outros apresentadores Gabriel Chalita (PMDB-SP) e Eros Biondini (PTB-MG), Paulo Barbosa (PSDB-SP) e Myriam Rios (PDT-RJ), e pela primeira-dama paulista, Lu Alckmin.
De qualquer maneira, agradecemos a Deus por esta nova vitória dos católicos sobre mais um escândalo promovido pela carismática Canção Nova, e aguardamos sua consumação. Cleber Lourenço.
Despejados da tela
Embora aguardemos a concretização dos fatos, é de suma importância que a Canção Nova manifeste oficialmente os motivos que a levaram à mudança em sua grade de programação. Qualquer outra razão que não uma verdadeira preocupação em se manter fiel à doutrina católica seria, novamente, outra demonstração de mero oportunismo. www.fratresinunum.com, fonte.
A rede Canção Nova, emissora de TV e rádio ligada ao movimento católico Renovação Carismática, resolveu tirar do ar os programas comandados pelos deputados federais Gabriel Chalita (PMDB-SP) e Eros Biondini (PTB-MG), pelos estaduais Edinho Silva (PT-SP), Paulo Barbosa (PSDB-SP) e Myriam Rios (PDT-RJ), e pela primeira-dama paulista, Lu Alckmin.
Embora a decisão tenha sido tomada no atacado, o elemento precipitador foram as reações negativas de fiéis e lideranças da igreja à recente incorporação de Edinho, presidente do diretório estadual petista, ao quadro de apresentadores da Canção Nova.
Conexões “Justiça e Paz”, o programa de Edinho, estreou em 3 de novembro tendo como convidado Gilberto Carvalho. Principal mentor político do deputado petista, o secretário-geral da Presidência foi também articulador da aproximação entre a campanha de Dilma Rousseff e a Canção Nova no segundo turno da eleição presidencial. Até então, a candidata vinha sendo duramente combatida por religiosos da Renovação Carismática.
Doutrina O programa de Edinho deu origem, nas redes sociais, ao movimento #CançãoNovaSemPT. Um panfleto traz em vermelho o nome do partido e as expressões “aborto”, “casamento gay” e “Teologia da Libertação”.
2012… Entre os nomes retirados da grade de programação, há dois pré-candidatos a prefeito: Chalita em São Paulo e Paulo Barbosa (licenciado da Assembleia por ocupar a Secretaria de Desenvolvimento do governo Alckmin) em Santos. À frente do PT-SP, Edinho terá atuação eleitoral em todo o Estado.
… vem aí A cada eleição, cresce o interesse de políticos de todos os partidos pelo estoque de votos sob o raio de influência da Canção Nova. Aumenta também o desconforto de setores da igreja.
Tenho dito Procurado pelo Painel, o Conselho Deliberativo da Fundação João Paulo 2º, mantenedora da Canção Nova, confirmou a decisão de suspender os programas, tomada na sexta-feira passada. Em nota, agradeceu “a dedicação e o empenho” dos seis apresentadores e manifestou “respeito às suas atuações públicas”.