Habemus Altarem!

Eis o novo altar da Capela do Instituto Bíblico de Brasília, onde a Santa Missa é celebrada até quatro vezes por semana em Brasília segundo o uso antigo e venerável.

De uma mesinha de fórmica na sala de aula (não poucas vezes, infelizmente…) para um altar. Nem mais um “altar-mesa”, mas um altar. O Calvário.

Essa é mais uma etapa das reformas que o Pe. Sérgio vem empreendendo na capela onde celebra a Missa Tridentina há quase três anos. Primeiro, os bancos, as cortinas, agora o altar. Anunciou hoje, ao fim da missa, que precisará contar com o apoio dos fiéis para a pintura das paredes, a reforma das janelas (quem frequenta sabe o sério problema de ventilação no local) e mesmo a compra de alguns materiais litúrgicos. Não é uma paróquia, não é uma catedral, é simplesmente o que Nosso Senhor nos dá.

Graças a Deus, apesar de toda dificuldade enfrentada no último ano, a Missa Tridentina continua em Brasília. E continuará, e se propagará, conforme a vontade de Deus! E de Bento XVI.

Faço uns comentários pessoais: como a capela tem ficado cheia! Impressiono-me a cada dia, porque é gente diferente que vejo a cada dia. Tenho a impressão que vêm de todo canto do Distrito Federal, quando não do Goiás… Jovens e velhos (ou: jovens na idade e/ou na alegria – qui laetificat juventutem meam), pobres e ricos, homens e mulheres. A todos Jesus Cristo tem atraído quando levantado em sacrifício pelas mãos do sacerdote.

Graças a Deus!

É justo reproduzir também o que o padre transmitiu hoje ao fim da missa, para os fiéis: tudo isso (as reformas empreendidas) é também uma forma de retribuição de gratidão à Sua Excelência Reverendíssima Dom João Evangelista Terra, que lhe cede o local e incentiva as celebrações.

Nós, fiéis, também agradecemos, ao padre e ao bispo, que cumprem suas obrigações, mas principalmente a Deus, pela existência da Igreja Católica que (ainda que de forma misteriosa, nos últimos tempos…) não cessa de garantir a perpetuidade do Santo Sacrifício e a participação dos fiéis nos Sacramentos da Salvação.

VF