“Antes tarde do que nunca!” Diz um popular ditado!

A CNBB, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, depois de quatro anos, resolveu publicar o Motu Próprio Summorum Pontificum, de Sua Santidade, o Papa Bento XVI. O Motu Próprio é um documento de próprio punho, pelo qual o Santo Padre devolveu aos católicos de todo o mundo o direito à Liturgia Tradicional da santa Igreja de voltar a assistir à Missa (não só a Missa, mas também todos os Sacramentos!) segundo o missal de 1962, mais conhecida por Missa Tridentina, àquela que era comumente rezada por todo o mundo de rito latino e que foi deixada de lado e mesmo combatida, apesar de nunca ter sido oficialmente proibida, como disse o Papa Bento no mesmo documento, após a reforma litúrgica do Papa Paulo VI para a aplicação das diretrizes do Concílio Vaticano II.

É curiosa, para não dizer frustrante e chocante, ver que foi preciso esperar quatro longuíssimos anos e um outro documento (a Universae Ecclesiae) do Santo Padre para ver a CNBB divulgando o referido documento, porém, não foi surpresa tal espera para aqueles que já estão calejados com o comportamento anti-papal desta organização filantrópica que se tornou a CNBB, que tem se esforçado bastante para tudo o que se refere à natureza e à vida social do “povo de Deus”, mas deixado muitíssimo a desejar ao que se refere à vida sobrenatural deste mesmo povo. As campanhas da fraternidade, que o digam!

Mas chega de espera, quatro anos é bastante tempo! Vejam aqui a publicação deste tão importante documento.

Esperemos agora, talvez mais quatro anos ou até mais, para vermos a aplicação do MP e enfim, a liberdade que tanto queremos para ter livre acesso à Liturgia Tradicional, afinal de contas, antes tarde do que nunca!

Salve Maria!

Cleber Lourenço