Tudo é permitido, menos a Santa Missa

Caros, salve Maria!

Este post tem a finalidade de mostrar como é fácil – e facilitado – promover toda espécie de abusos, sacrilégios, profanações e tudo o mais que engloba o que sempre foi combatido e condenado no âmbito litúrgico pela Santa Igreja, mas que, de algumas décadas para cá, mais precisamente, desde o Concílio Vaticano II e a Reforma (ou deforma!) Litúrgica, ocorrida após o encerramento do mesmo Concílio, e sua consequente implementação.

Apesar do Concilio Vaticano II não ter gozado caráter dogmático, o que é muito bem explicado aqui e que foi dito pelo próprio Papa João XXIII:

“…dever-se-á usar a maneira de apresentar as coisas  que mais corresponda ao magistério, cujo caráter é prevalentemente pastoral (João XXIII, Discurso de Abertura do Vaticano II, VI- 4 e 5. Os destaques são nossos.)

 Também o Papa Paulo VI disse isto muito claramente:

 ...dado o caráter pastoral do Concílio, evitou este proclamar em forma extraordinária dogmas dotados  da nota de infalibilidade. Todavia conferiu a seus      ensinamentos a autoridade do Supremo Magistério ordinário”. (Paulo VI, Discurso na audiência de 12 de Janeiro de 1966. Os destaques são nossos).

Ainda o Papa Bento XVI, quando ainda era Cardeal, aos Bispos do Chile, em 13 de Julho de 1988 disse:

A verdade é que o próprio Concílio não definiu nenhum dogma e conscientemente quis se expressar em um nível muito mais modesto, meramente como Concílio pastoral;  entretanto, muitos o interpretam como se ele fosse o super dogma que tira a importância de todos os demais Concílios.”   (Cardeal Joseph Ratzinger, Alocução aos Bispos do Chile, em 13 de Julho de 1988, in Comunhão Libertação, Cl, año IV, Nº 24, 1988, p. 56. Destaques nossos).

E tem sido dito por várias outras autoridades vaticanas, como na publicação da obra de Monsenhor Brunero Gherardini – Vaticano II, un Discorso da Fare (que será editado no Brasil pela Editora Pinus, o que noticiamos aqui). Ele que é considerado por muitos como o último teólogo da escola romana, que conta entre os seus grandes nomes os dos cardeais Franzelin, Billot, Parente e outros como o de Monsenhor Piolanti. Monsenhor Gherardini foi o Decano de Teologia da Pontifícia Universidade Lateranense em Roma, sendo responsável pela cátedra do importantíssimo De Ecclesia (Eclesiologia).

Como dissemos e mostramos, o Concilio Vaticano II mesmo não sendo dogmático, fez o que nenhum outro Concílio, em toda a história da Igreja, conseguiu, em tempo recorde, menos de 50 anos: mudar tanto e para pior a sagrada Liturgia. A constatação desta infeliz realidade está estampada na falta de fervor dos fiéis e mesmo dentre a maioria dos clérigos, haja vista os abusos que campeiam praticamente em todas as paróquias, e, por fim, a apostasia de uma imensidão de católicos para outros credos, seja para as seitas pentecostais ou protestantes, para o espiritismo, etc., o que desgraçadamente não tem ocorrido só entre leigos, mas inclusive com clérigos, com o consequente esvaziamento de templos católicos e escassez de sacerdotes.

Voltando ao objetivo do post, passemos a mostrar como se consegue fazer e promover de tudo nas igrejas mundo afora, desde que não se trate da Liturgia Tradicional, que, salvo poucas exceções, é ferozmente perseguida ou ignorada. 

Todos os tipos de abusos, sacrilégios e profanações podem ser vistos e constatados por todo o universo católico. No Brasil, de um extremo a outro, não há quem nao conheça as “missas sertanejas” que têm conquistado cada dia mais espaço e adeptos com as bênçãos de autoridades eclesiásticas, que – em tempos midiáticos – preferem ver número e não qualidade, indiferentemente se as almas dos fiéis vão para o Céu ou para o Inferno. Ái de voz sacerdotes e bispos que verão, quão terrivelmente importa à Deus quando os senhores se depararem com Nosso Senhor no Juízo Particular, e forem interrogados se apascentaram Suas ovelhas! Infelizmente para nosso desgosto também aqui em Brasília temos esse tipo de celebridade, a revelação do momento, o “show-man” Pe. Alessandro Campos como comprova o vídeo acima disponibilizado. 

Também não podemos deixar de registrar as já conhecidas e protestantizantes “missas de cura e libertação” que aqui em Brasília são lideradas por outro o “show-man” o carismático Pe. Moacir Anastácio que a cada ano atrai milhares de fãs, ao invés de fiéis católicos para seus shows, que deveriam ser Missas.

Não podemos deixar de recordar que ainda (meu Deus!) há as “missas afros”, que, numa sincretização de símbolos e cerimônias católicas e africanas, torna-se umas das maiores ofensas a Deus, pois, mistura-se o que há de mais sagrado, a Eucaristia, a renovação do santo Sacrifício do Próprio Cristo, com símbolos pagãos africanos, que homenageiam e invocam suas divindades e entidades, fazendo com que, numa única cerimônia, num único ato religioso e no mesmo altar, estejam presentes tanto o Deus verdadeiro – caso haja a consagração ou esteja presente as Sagradas Espécies – como deuses pagãos.

Por fim, cito as cerimônias inter-religiosas que também ocorrem em todos os lugares e para o horror de todo bom católico, e claro, para a infinita ofensa de Deus, mesmo entre as maiores autoridades da Santa Igreja, pelo menos nas últimas décadas, como foram os tristes episódios de Assis I com o Papa João Paulo II e mais recentemente com o Papa Bento XVI, em sua visita à Jerusalém, como mostra o vídeo a seguir, participando de uma celebração ecumênica junto aos cismáticos ortodoxos gregos:

Fica aqui expresso o grito de socorro às autoridades competentes, seja ao santo Padre o Papa, e enquanto não é designado nosso novo arcebispo, aos nossos Bispos e Padres que tiverem zelo pelas almas e pela Liturgia, e que também tiverem temor à Justiça Divina, que certamente lhes cobrará o preço das almas que poderiam e deveriam ter salvo, se tivessem apascentado as Suas ovelhas com o cajado do Episcopado ou com o cumprimento de suas obrigações sacerdotais.

E para encerrar este desabafo, suplico pela Santa Missa segundo o Rito Tradicional da Santa Igreja, para que possamos tê-la ao alcance de todos os fiéis do DF, e para que por ela, possamos como o santo Seráfico, São Francisco de Assis, beber da Água do Lado de Cristo, através do Santíssimo Sacramento do Altar, o que é nosso direito e uma necessidade fundamental para salvar nossas almas.

São Francisco de Assis, rogai por nós!

Santa Maria, Mãe de Deus e nossa, tenha piedade de nós!

Ó Boníssimo Jesus, pela santa Missa, socorrei-nos!

Missa Tridentina em Brasília.

Uma resposta em “Tudo é permitido, menos a Santa Missa

  1. Queridos irmãos em Cristo!

    É grande a satisfação em poder encontrar ainda vozes como as vossas!

    A calamidade tomou conta de toda a Terra….e o crime chegou até ao lugar Sagrado.

    Até quando Senhor?

    Estou aqui …..rezo……

    Rezemos para que Deus nosso Criador possa intervir e mudar a mente de tantos clérigos e leigos que se aliaram a satanás para destruir a obra de Cristo.

    In Jesus e Maria

    Eli Landim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s