[Notícia] Crisma e Missa Prelatícia no Rito Tradicional em Brasília

No dia 15 de agosto de 2014, na grande festa litúrgica da Assunção da Santíssima Virgem, mais graças especiais do Bom Deus para o tão recente apostolado da Capela Nossa Senhora das Dores.

Há apenas um mês, assistimos à benção pontifical da nova igreja (fotos).

E agora, mais uma vez, Dom José Aparecido Gonçalves, Bispo Auxiliar de Brasília, retorna à capela para conferir o santo Sacramento da Crisma, no Rito Tradicional, a cerca de uma dúzia de jovens, que foram confirmados na fé e feitos perfeitos cristãos e soldados de Cristo após a imposição das mãos episcopais e a unção com o óleo do Crisma. Deo gratias!

Acrescentado o espírito do rito do Sacramento da Confirmação à grandeza dessa festa de Nossa Senhora, parecem ainda muito mais oportunas as palavras do padre no sermão do ano passado.

Assunção de Nossa Senhora (quadro da Capela Nossa Senhora das Dores)

“A Festa da Assunção de Nossa Senhora deve, assim, elevar a nossa alma para as coisas celestes, para a nossa verdadeira pátria, que é o céu. Como nos diz a coleta da Missa de hoje, devemos estar sempre inclinados para as coisas celestiais, a fim de podermos participar da glória celeste. Onde está nosso tesouro lá está o nosso coração. Se olhamos para as coisas desse mundo, se nos inclinamos às coisas desse mundo, é porque nosso tesouro está aqui nessa terra e, consequentemente, também o nosso coração, a nossa vontade está apegada às coisas desse mundo. Nossa Senhora, por sua Assunção, nos mostra que nosso tesouro é bem outro. Ela nos mostra que nosso tesouro é a Santíssima Trindade, ela nos mostra que nosso tesouro é seu Filho, Jesus Cristo, a Verdade, o Caminho, a Vida.”

Após o belíssimo rito do sacramento da Crisma, foi também Sua Excelência Reverendíssima Dom José Aparecido quem rezou a Santa Missa em honra à Assunção de Nossa Senhora. Em sua Missa Prelatícia (forma específica de uma missa lida – e não cantada – pelo bispo), Dom José contou com a assistência de padres e seminaristas do Instituto Bom Pastor.

Do Instituto Bom Pastor, além do Padre Daniel Pinheiro, reitor da Capela, estavam presentes o Padre Matthieu Raffray, Superior do Distrito da América Latina (em viagem a partir da França para algumas cidades brasileiras), o Diácono Pedro Henrique Gubitoso (que nestas celebrações conduziu o canto gregoriano e o órgão), e o seminarista Ivan Chudzik (como cerimoniário). Aliás, desde o começo do mês passado, praticamente todos os seminaristas brasileiros do instituto têm passado por Brasília para auxiliar o Pe. Daniel em seu apostolado, possibilitando inclusive a realização de algumas Missas Solenes aos domingos. Sem dúvida, agradecem sobretudo os fiéis, que podem conhecer de modo mais perfeito toda a beleza e o esplendor da liturgia católica tradicional.

Um primeiro post com mais fotos das cerimônias do Sacramento da Crisma e da Missa Prelatícia pode ser conferida neste link.

Após a Santa Missa, seguiu-se uma pequena confraternização em honra à Assunção de Nossa Senhora e pela recepção do sacramento pelos crismados. Afinal, “uma vez alimentada a alma (o que é o mais importante), é preciso também alimentar o corpo”.

[Convite] Sacramento da Crisma e Missa Prelatícia no Rito Romano Tradicional

IN FESTO ASSUMPTIONIS BEATAE MARIAE VIRGINIS


 assunção2

Capela Nossa Senhora das Dores

(Jardim Botânico III, Av. das Paineiras, entrequadras 9/10)

Sexta-feira, 15 de agosto de 2014

a partir das 19h30

 Sacramento da Crisma

conferido por S. Ex..a Rev.ma Dom José Aparecido Goncalves, Bispo auxiliar de Brasília.

 Santa Missa

Missa Prelatícia, rezada por Sua Excelência.

Após a Missa haverá uma

Confraternização

* Solicita-se a colaboração dos fiéis para a realização da confraternização.

 


[Sermão] O católico e as eleições

Sermão para o 8º Domingo depois de Pentecostes

03.08.2014 – Padre Daniel Pinheiro, IBP

 

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…

 “Os filhos desse século são mais hábeis que os filhos da luz.”

No ano passado, caros católicos, fiz a explicação dessa parábola de que fala Nosso Senhor no Santo Evangelho desse 8º Domingo depois de Pentecostes. Hoje, gostaria de tratar de um tema importante para nós, nossas famílias, nossa religião, nossa pátria. Gostaria de falar das eleições que em breve ocorrerão em nosso país. Vejamos qual é a melhor conduta diante da realidade que se apresenta diante de nós nessas eleições.

Antes de tudo, gostaria de relembrar um ponto do 4º mandamento da lei de Deus. O quarto mandamento nos manda honrar pai e mãe. Já tivemos oportunidade de falar que esse mandamento não se resume, porém, às nossas obrigações para com nossos progenitores, mas se estende também a outras autoridades, civis e eclesiásticas, e se estende igualmente à nossa pátria.

Entre as obrigações para com a pátria, está a obrigação de votar para eleger bons candidatos. Essa obrigação pode ser leve ou grave dependendo das circunstâncias. Ela vai ser mais grave quanto mais dependerem das eleições os interesses religiosos, morais e sociais da nação e quanto mais incerta for a eleição. É preciso ter presente que os legisladores e os governantes podem produzir um grande bem ou um grande mal à Igreja, ao clero, à família cristã e à família em geral, à moralidade pública, etc. Nós temos visto o grande mal que nos faz o governo atual no plano da família, da moralidade pública, da religião católica, ao facilitar o acesso ao aborto, ao legalizar uniões homossexuais, ao tornar obrigatória a educação sexual para as crianças, ao querer impor a ideologia do gênero nas escolas, etc Portanto, é um dever importante eleger bons candidatos. Todo católico sincero deve dar o próprio voto aos candidatos que oferecem garantias verdadeiramente suficientes para a tutela dos direitos de Deus e das almas, para o verdadeiro bem dos indivíduos, das famílias e da sociedade, segundo a lei de Deus e a moral cristã. Por outro lado, votar em um candidato indigno é, a princípio, ilícito.

Todavia, surge uma dificuldade em nossos tempos. Nas supostas democracias em que vivemos, e nesse sistema moderno corrompido desde a sua raiz – pois nega os direitos de Deus e de sua verdadeira Igreja desde o princípio – devemos votar entre dois, três, quatro candidatos, que não escolhemos, mas que nos são impostos. Habitualmente, esses candidatos têm, em linhas gerais, os mesmos objetivos, que são, no fundo, descoroar Nosso Senhor Jesus Cristo, estabelecer uma sociedade completamente alheia aos mandamentos de Deus, completamente alheia à Igreja. Uma sociedade hostil à família cristã. Ou, olhando pelo outro lado, o objetivo deles é estabelecer a cultura de morte, isto é, uma cultura, com leis e facilidades, que nos afastam de Deus, nos levando ao pecado e às maiores abominações, tal como o aborto, a eutanásia, a união homossexual. Diante dessa realidade em que todos os candidatos são indignos, nos surge, então, a dúvida: se podemos votar em um deles ou se devemos nos abster. A resposta dos teólogos moralistas diz que é lícito escolher um candidato ruim para evitar o pior. Para poder votar em um candidato indigno, quando não temos a opção de votar em um bom candidato, devemos ter um fim honesto e uma gravíssima causa para votar nesse candidato indigno. Devemos ter um fim honesto, isto é, podemos votar em um candidato indigno, ruim, mas não porque ele é ruim, nem desejando que ele aplique coisas ruins, mas dando-lhe um mandato para que ele possa fazer o que é sua obrigação como governante ou legislador: legislar ou governar conforme as leis de Deus. Além disso, devemos ter uma causa gravíssima para eleger um candidato indigno. Uma dessas causas gravíssimas é justamente impedir a eleição do pior candidato. Nesse caso, é preciso deixar claro que votamos unicamente para excluir o candidato mais indigno e não porque aprovamos o outro. Com essas ressalvas, isto é, com um fim honesto e para impedir a eleição do pior, o católico pode votar no menos pior. Não há unanimidade entre os teólogos se existe obrigação de votar no menos pior nesse caso. Parece, todavia, que convém votar no menos pior, pois, embora o objetivo seja o mesmo, o ritmo de implantação da cultura de morte é mais lento, permitindo, talvez, a organização de uma melhor resistência. A abstenção dos bons ou a anulação do voto pelos bons, desiludidos, pode determinar a eleição do pior dos candidatos, o que não é, evidentemente, bom. Claro, falamos tudo isso considerando que não há fraudes nas eleições.

Concretamente, caros católicos, não se pode em consciência votar no partido que atualmente governa o Brasil nem em outros mais à esquerda, no nome ou na prática. Se nenhum candidato é bom, convém mais escolher o candidato menos pior do que se abster ou anular o voto. Assim parece pensar a maior parte dos teólogos moralistas. O governo atual tem demonstrado uma grande hostilidade à lei de Deus e da Igreja: tenta de todas as formas impor a cultura de morte, e tem conseguido, muitas vezes de maneira sorrateira, ampliar o aborto, legalizar as uniões homossexuais, impor a ideologia do gênero, a eutanásia e outros crimes semelhantes, que ofendem de modo gravíssimo a Deus e destroem a sociedade na sua raiz.

A política não diz respeito diretamente à Igreja, a não ser quando a política começa a tocar no bem das almas, no bem comum da sociedade (de maneira mais grave) e no bem da Igreja, o que é o caso. E quando isso ocorre, os pastores precisam orientar as ovelhas e denunciar o lobo.

Não podemos nos esquecer, caros católicos, de que entre nossos deveres para com a nossa pátria está também o de rezar por ela, em particular nesse ano eleitoral. Rezemos a Nossa Senhora Aparecida para que ela afaste do Brasil o comunismo, o socialismo, o liberalismo e traga ao Brasil o cetro doce e suave de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

 

[Notícia] Dom Fernando Guimarães é o novo Ordinário Militar do Brasil

Cidade do Vaticano (RV) – Mudança no Episcopado no Brasil: Após a renúncia de Dom Osvino José Both por razão de idade, o cargo de Arcebispo Ordinário Militar será ocupado por Dom Fernando José Monteiro Guimarães, que deixa a Diocese de Garanhuns, em Pernambuco. (…)

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/bra/articolo.asp?c=817789 do site da Rádio Vaticano.


Felicitamos Dom Fernando Guimarães pela recente nomeação e expressamos nosso sincero desejo e esperança de que obtenha grande êxito em sua nova missão no serviço de Nosso Senhor Jesus Cristo e de sua Santa Igreja.

Neste blog, os leitores podem rever as fotos da cerimônia em que Dom Fernando Guimarães procedeu às ordenações sacerdotais do Instituto do Bom Pastor, em 2012, na cidade de Bordeaux, França; um dos ordenados foi o Pe. Daniel Pinheiro, junto com Yvain Cartier e Giorgio Lenzi:

Ordenações Sacerdotais do IBP por D. Fernando Guimarães (junho de 2012)

orden pe daniel

[Lembrete] Hora Santa e Missa nesta sexta-feira, na Festa de São João Maria Vianney

Clique aqui para ver o último sermão, sobre “O Católico e as eleições.”

Salve Maria!

Reforçamos a informação divulgada ontem sobre a Hora Santa, seguida da celebração da Santa Missa, na próxima sexta-feira, dia 8 de agosto, na Capela Nossa Senhora das Dores.

A adoração ao Santíssimo Sacramento, pela santificação do clero, inicia-se às 19h00; em seguida, às 20h00, celebração da Santa Missa, na Festa de São João Maria Vianney, o Santo Cura d’Ars.

Nesses tempos de tormenta, é crucial rezar pela santificação do clero.

[Programação] Mês de agosto

CAPELA NOSSA SENHORA DAS DORES

Calendário de missas e eventos – Agosto 2014


Sexta-feira, 8 de agosto de 2014
Festa de São João Maria Vianney, o Santo Cura d’Ars (Confessor, III Cl.)

     19h00 Hora Santa (pela santificação do clero)
     20h00 Santa Missa

Sábado, 9 de agosto de 2014
Vigília de São Lourenço (Mártir, III Cl.)

     08h30 Santa Missa

Domingo, 10 de agosto de 2014
IX Domingo depois de Pentecostes (II. Cl.)

     10h00 Santa Missa (Missa Solene, c/ diácono e subdiácono)


Sexta-feira, 15 de agosto de 2014
Festa da Assunção da Santíssima Virgem (I Cl.)

     19h30 Crisma conferida por Dom José Aparecido,
…………….seguida de Missa Prelatícia rezada por sua Excelência
.
…………….* segue confraternização após a missa

Sábado, 16 de agosto de 2014
Festa de São Joaquim, Pai da Santíssima Virgem (Confessor, II Cl.)

08h30
Santa Missa

Domingo, 17 de agosto de 2014
X Domingo depois de Pentecostes (II. Cl.)

     10h00 Santa Missa (Missa Solene, c/ diácono e subdiácono)


Sexta-feira, 22 de agosto de 2014
Festa do Imaculado Coração da Santíssima Virgem (II Cl.)

     19h00 Santo Terço
     19h30 Santa Missa

Sábado, 23 de agosto de 2014
Festa de São Felipe Benício (III Cl.)

     08h30 Santa Missa
     09h30 Recolhimento para homens casados ou noivos
                (até as 17h30, com intervalo para almoço)

Domingo, 24 de agosto de 2014
XI Domingo depois de Pentecostes (II. Cl.)

     10h00 Santa Missa (Missa Solene, c/ diácono e subdiácono)
     * após a missa, haverá um Bazar de Roupas para ajudar a Capela.


Sexta-feira, 29 de agosto de 2014
Festa da Degolação de São João Batista (III Cl.)

     19h00 Santo Terço
     19h30 Santa Missa

Sábado, 30 de agosto de 2014
Festa de Santa Rosa de Lima, Padroeira da América Latina (I Cl.)

     08h30 Santa Missa
     09h30 Recolhimento para mulheres casadas ou noivas
                (até as 17h30, com intervalo para almoço)

Domingo, 31 de agosto de 2014
XII Domingo depois de Pentecostes (II. Cl.)

     10h00 Santa Missa

[Instrução] Devoções das nove primeiras sextas-feiras e dos cinco primeiros sábados

NOVE PRIMEIRAS SEXTAS-FEIRAS

A Grande promessa está contida na carta escrita em maio de 1688 por Santa Margarida Maria à Madre Saumaise:

“Em uma sexta-feira, durante a Santa Comunhão, Ele falou essas palavras para sua indigna serva, se não me engano: Eu prometo, na excessiva misericórdia do meu Coração, que amor todo-poderoso dele concederá, a todos aqueles que comungarem em nove primeiras sextas-feiras do mês seguidas, a graça da penitência final; eles não morrerão na minha desgraça, nem sem receber os sacramentos e o meu divino Coração será o seu asilo seguro no último momento.”

As condições indispensáveis para a grande promessa do Sagrado Coração de Jesus – perseverança final e salvação eterna – são:

a) a comunhão deve ser feita na primeira sexta-feira do mês – dia escolhido por Ele – e não em outro dia. Portanto, não consta que haja a possibilidade de comungar em outro dia para cumprir a devoção, ainda que com a dispensa do sacerdote.

b) a novena de comunhão deve ser feita em nove meses consecutivos. Se houver interrupção, deve ser recomeçada.

c) deve ser feita em estado de graça e na intenção de honrar o Sagrado Coração. Portanto, não consta que seja necessária a confissão no dia ou oito dias antes, como é necessária para os primeiros cinco sábados (e Nosso Senhor disse ainda mais de oito dias, se houver motivo, para o primeiro sábado). Basta estar em estado de graça. Convém confessar, mas não é necessário.

Destaque-se que Nosso Senhor não diz que aqueles que fazem as primeiras nove sextas-feiras serão dispensado de alguma de suas obrigações ou de exercer a vigilância necessária para levar uma vida boa e vencer a tentação. Na verdade, ele promete abundantes graças para os que fazem as nove sextas-feiras a fim de que cumpram essas obrigações e possam perseverar até o fim. Finalmente, podemos observar que a prática das nove primeiras sextas-feiras é muito agradável a Nosso Senhor, dado que Ele promete tão grande recompensa, e que todos devem se esforçar para praticar a devoção das primeiras sextas-feiras.


 

CINCO PRIMEIROS SÁBADOS

A devoção aos cinco primeiros sábados é em reparação pelas cinco blasfêmias contra o Coração Imaculado de Maria: blasfêmias (1) contra a imaculada conceição, (2) contra sua virgindade, (3) contra sua maternidade divina e maternidade quanto aos homens, (4) blasfêmia dos que semeiam indiferença ou desprezo a Nossa Senhora  no coração das crianças, (5) blasfêmia dos que ultrajam diretamente Nossa Senhora em suas imagens.

      “Dia 10-12-1925, apareceu-lhe a Santíssima Virgem, e, ao lado, suspenso em uma nuvem luminosa, um Menino. A Santíssima Virgem, pondo-lhe no ombro a mão, mostrou-lhe um Coração que tinha na outra mão, cercado de espinhos.

      Ao mesmo tempo, disse o Menino:

      – Tem pena do Coração de tua Santíssima Mãe, que está coberto de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos Lhe cravam, sem haver quem faça um ato de reparação para os tirar.

      Em seguida, disse a Santíssima Virgem:

      – Olha, minha filha, o meu Coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os  momentos Me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de Me consolar, e dize que todos aqueles que durante cinco meses, no primeiro sábado, se confessarem, recebendo a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço e Me fizerem quinze minutos de companhia meditando nos quinze mistérios do Rosário com o fim de Me desagravar, Eu prometo assisti-los na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Secretariado dos Pastorinhos, 13ª Edição, p. 193.)

Condições. Nos primeiros sábados do mês:

1. Confessar. Essa confissão pode ser no dia, mas pode ser antecipada em oito dias ou até mais. Em 15 de fevereiro de 1926, a irmã Lúcia

“apresentou a Jesus a dificuldade que tinham algumas almas em se confessar ao sábado e pediu para ser válida a confissão de oito dias. Jesus respondeu:

      – Sim, pode ser de muitos mais ainda, contanto que, quando Me receberem, estejam em graça e que tenham a intenção de desagravar o Imaculado Coração de Maria.

      Ela perguntou:

      – Meu Jesus, as que se esquecerem de formar essa intenção?

      Jesus respondeu:

      – Podem formá-la na outra confissão seguinte, aproveitando a 1ª ocasião que tiverem de se confessar.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Secretariado dos Pastorinhos, 13ª Edição, p. 193.)

Convém que a intenção reparadora seja expressa ao confessor, mas não é indispensável.

2. Receber a santa comunhão. Nosso Senhor disse à Irmã Lúcia em 30 de maio de 1930:

“A prática dessa devoção será igualmente aceita no domingo seguinte ao primeiro sábado, quando meus sacerdotes, por motivos justos, o permitirem às almas.”

É preciso pedir a permissão ao Padre e não concedê-la a si mesmo. Tal precisão torna a devoção acessível a todos.

3. Recitar o Terço.

4. Fazer companhia a Nossa Senhora meditando durante quinze minutos os mistérios do Rosário. Pode ser a meditação sobre um ou vários mistérios do Rosário.

5. Fazer tudo isso em espírito de desagravo ao Imaculado Coração.

Para quem fizer isso, Nosso Senhor promete socorrer na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação da alma.

*texto recomendado pelo Pe. Daniel P. Pinheiro

[Aviso] Santa Missa na próxima sexta-feira e no sábado

Salve Maria!

Atenção para os horários das celebrações na Capela Nossa Senhora das Dores para este final de semana:


Sexta-feira , 1º de agosto de 2014 (Primeira sexta-feira do mês)

19h00 Hora Santa / Adoração ao Santíssimo Sacramento (em razão da devoção das primeiras sextas-feiras do mês e pelos católicos perseguidos no Iraque e Oriente Médio)

20h00 Santa Missa (Missa votiva do Sagrado Coração de Jesus)


Sábado, 2 de agosto de 2014 (Primeiro sábado do mês)

08h30 Santa Missa (Missa votiva do Imaculado Coração de Maria com memória de Santo Afonso Maria de Ligório; em razão da devoção dos cinco primeiros sábados do mês)


Domingo, 3 de agosto de 2014 (VIII Domingo de Pentecostes)

10h00 Santa Missa (Missa Solene, com ministros sagrados – diácono e subdiácono)


Lembramos que a partir desta semana haverá Missa na Capela Nossa Senhora das Dores todos os sábados, às 8h30.

Ainda, lembramos de um outro recente anúncio do Pe. Daniel: as bênçãos de objetos ocorrerão todo primeiro domingo de cada mês, após a missa.  

[Aviso] Imposição do Escapulário no próximo domingo (Capela Nossa Senhora das Dores)

Salve Maria!

Lembramos que no próximo domingo, 27 de julho, o Pe. Daniel fará a imposição do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo nos fiéis que o desejarem.

Sugerimos a todos interessados, especialmente os que ainda não conhecem bem a devoção, a leitura de uma importante instrução sobre o assunto já publicada neste site: Algumas questões sobre o Escapulário de Nossa Senhora do Carmo.

Ainda, comunicamos que na lojinha da capela estarão disponíveis, antes do horário da Santa Misssa, escapulários para serem adquiridos pelos interessados.

Últimas novidades…

FOTOS

Confira AQUI as fotos oficiais da cerimônia de Benção da Capela Nossa Senhora das Dores, realizada por Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida, Bispo Auxiliar de Brasília, e seguida da Santa Missa e de Confraternização.

SERMÕES

Publicamos também os dois últmos sermões do Pe. Daniel Pinheiro, ambos sobre aspectos muito interessantes  da Liturgia Tradicional da Santa Igreja: